Aluguer de Airbus A330 em 2016 motivou buscas da PJ às instalações da sede da SATA

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O aluguer do avião Airbus A330 para integrar a frota da SATA em 2016 motivou as buscas realizadas nesta terça-feira, dia 18 de junho, pela Polícia Judiciária (PJ) nas instalações da companhia aérea, revelou à agência Lusa fonte da empresa.

Segundo a fonte, os inspetores estiveram nas instalações do grupo de aviação na cidade de Ponta Delgada, ilha de São Miguel, nos Açores, durante a manhã desta terça-feira, tendo solicitado documentos desde 2012 para averiguar o negócio relacionado com o avião A330, batizado com o nome de ‘Ciprião de Figueiredo’ e que recebeu o registo nacional CS-TRY.

O aluguer de longa duração da aeronave, que ficou conhecida por ‘Cachalote’ por ostentar a imagem do mamífero, fazia parte do processo de renovação da frota da SATA decidido pela administração então liderada por Luís Parreirão.

O primeiro voo comercial do Airbus A330 da SATA Internacional/Azores Airlines aconteceu em março de 2016, ligando Ponta Delgada a Boston, nos Estados Unidos da América.

A decisão de utilizar os aviões A330 nas rotas de longo curso foi anunciada pela administração do grupo em junho de 2015.

O contrato de leasing custou à SATA mais de 40 milhões de euros, tendo o aparelho ficado parado durante dois anos, devido aos elevados custos de manutenção, segundo um ofício do Governo dos Açores revelado em março de 2021.

Segundo as explicações do executivo, o contrato e as reservas de manutenção do aparelho custaram à SATA Azores Airlines um total de 24,6 milhões de euros em cinco anos (5,9 milhões em 2016, 7,6 milhões em 2017, 5,9 milhões em 2018, 4,3 milhões em 2019 e 835 mil euros em 2020), embora o avião só tenha operado nos três primeiros anos.

A estes montantes soma-se a antecipação do fim do contrato de aluguer do ‘Cachalote’, que ultrapassou os 16 milhões de euros (entre prestações pagas em devido tempo e também uma indemnização na sequência de negociações extrajudiciais por incumprimento dos prazos de liquidação da dívida).

Ouvido em novembro de 2023, na comissão de inquérito à SATA na Assembleia Regional, Luís Parreirão justificou a opção da companhia açoriana pelos dois aviões A330, como sendo, à data, os aparelhos mais fiáveis para viagens de longo curso.

A ‘Lusa’ também contactou o Departamento de Investigação Criminal da PJ nos Açores, que não deu esclarecimentos sobre a investigação em curso.

LINK notícia relacionada

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV suspendem greve após acordo com empresa e o Governo de Cabo Verde

Os pilotos dos voos internacionais da TACV – Transportes...

Governo assegura que “não vai haver aporte do Estado” para o novo aeroporto de Lisboa

O ministro português das Infraestruturas, Miguel Pinto Luz (na...

Lisboa volta a ter voo direto para o Cairo – Egyptair retomou a rota com dois voos semanais

A Egyptair está de regresso a Portugal, tendo retomado...

CRJ-200ER despenhou-se no Nepal – Morreram 18 dos 19 ocupantes da aeronave que fazia um voo de teste

Um avião a jato bimotor CRJ-200ER da companhia nepalesa...