Bem-vindo, !|Sair

Antonoaldo Neves reafirma: “A TAP não vai para o Montijo”

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP Air Portugal, lançou esta semana mais um alerta para a insustentável situação que se vive no Aeroporto Internacional Humberto Delgado, em Lisboa, e apressa-se a dizer que o Aeroporto Complementar previsto para a base aérea do Montijo não será solução. Até, por que, destaca, “a TAP não cabe lá dentro”…

As declarações do responsável pela gestão da companhia aérea nacional de bandeira foram proferidas nesta terça-feira, dia 10 de dezembro, em Lisboa, durante uma conferência que assinalou o 10º aniversário do jornal de economia ‘Dinheiro Vivo’.

“O país tem de fazer uma escolha para aviação: ou quer ser um grande hub global ou um hub secundário. Essa escolha requer compromisso e investimento. Estamos muito atrasados nesta questão. A discussão aqui não é ‘Montijo ou não Montijo’, é tudo. É a legislação, que está muito atrasada em muitos aspetos, é a regulação… As empresas não conseguem slots para virem para Lisboa. O Montijo é a escolha correta, mas todo o processo precisa de tempo”, sublinhou Antonoaldo Neves.

O ‘Dinheiro Vivo’ num artigo publicado nesta terça-feira, dia 11 de novembro, na sua edição online, relata que o presidente da TAP disse que o Montijo “não é a solução de longo prazo, é a solução pontual”. “A Portela vai ser o hub de Lisboa nos próximos 10 anos. O volume de investimento necessário na Portela é maior que no Montijo. Precisamos de falar da Portela. É um aeroporto do tamanho de Orly (Paris) no número de passageiros. É maior que o Galeão, no Brasil, em número de passageiros. É difícil de acreditar que naquela infraestrutura se transportam mais passageiros que no Galeão. O país precisa de discutir a Portela e eu não sei qual o plano para a Portela”, lamentou.

Antonoaldo Neves quer evitar que se concretizem prognósticos como o de Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português, que disse recentemente que Portugal pode ser “o melhor destino do mundo com o pior aeroporto do mundo”.

“Para o desenvolvimento do país e da TAP o aeroporto é um problema catastrófico se isso acontecer. A falta de investimento na Portela foi levada a um limite… não dá para voltar atrás no tempo e fazer o investimento que devia ter sido feito”.

Antonoaldo Neves reforçou que o investimento num aeroporto implica “uma agenda de construção brutal” e que por isso “é importante haver trabalho articulado entre todas as partes interessadas, para que durante o período de investimento haja a menor perda possível”.

Confrontado com a falta de pontualidade do aeroporto de Lisboa, e da TAP em particular, Antonoaldo Neves salientou que a empresa tem, de facto, um problema nesse campo e é “a primeira a admiti-lo”.

“Tínhamos 30 pilotos a menos do que devíamos. Mas estamos a trabalhar e a investir nisso. Agora, em seis dias seguidos, tivemos uma pontualidade acima de 80%, isso era impensável há um ano. O aeroporto está esgotado e perde a capacidade de absorver atrasos”. A falta de uma saída rápida, explicou o responsável, faz com que em cada descolagem da Portela se percam 0,8 minutos.

“Para uma empresa que faz 400 voos por dia são cinco milhões de euros por ano”. Antonoaldo Neves considera que resolver o problema do aeroporto é um problema que “vai além do governo”. “O Montijo é importante, tem de ser feito, mas é a outra família, não é a nossa família. Tenho de resolver o meu casamento com a Portela e não namorar o Montijo, porque a TAP não cabe no Montijo. É uma ilusão discutir que um dia a TAP vai para o Montijo. O grande problema é a Portela. Aguardamos a proposta para que o investimento seja feito”, finalizou.

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica