Autoridades regionais recusam redução da área útil da pista do Aeroporto da Horta

O Governo da Região Autónoma dos Açores e a Câmara Municipal da Horta, na ilha do Faial, recusaram a solução proposta pela ANA – Aeroportos de Portugal de criar zonas de segurança na pista do Aeroporto da Horta sem ampliar a infraestrutura, alegando que a pista ficaria mais pequena.

“Tudo aquilo que for para piorar a situação atual da pista, não faz qualquer sentido”, afirmou a chefe de gabinete do secretário regional dos Transportes, Ana Albergaria, em declarações aos jornalistas, no final de uma reunião do Grupo de Trabalho criado pelo Governo da República Portuguesa, realizada na ilha do Faial, para avaliar a necessidade de ampliação da pista do Aeroporto da Horta.

Segundo explicou esta representante do executivo açoriano, o Grupo de Trabalho vai analisar várias soluções para a ampliação da pista, mas garantiu que a ideia de criar as RESA (runway and safety areas) dentro da atual pista, sem primeiro ampliar a infraestrutura, “certamente não vai avançar”.

A pista do Aeroporto da Horta, situado na freguesia de Castelo Branco, na ilha do Faial, tem cerca de 1.700 metros de extensão, o que obriga os aviões Airbus A320 da SATA Azores Airlines, nas ligações entre Lisboa e a Horta, a operar com penalizações, tanto de passageiros como de carga, devido às reduzidas dimensões da pista.

A Agência Europeia para Segurança Aérea (EASA) impõe, no entanto, que este tipo de infraestruturas possua novas zonas de segurança (RESA), obrigação que implicaria o aumento da pista em 90 metros em cada cabeceira da pista, embora as forças vivas locais reivindiquem uma expansão para além dos dois mil metros de comprimento.

“Se as RESA forem efetuadas dentro da pista atual, nós perdemos a oportunidade de continuar a voar para Lisboa”, alertou o presidente da Câmara Municipal da Horta e membro do Grupo de Trabalho, José Leonardo Silva, para quem a ideia sugerida por um representante da ANA, de criar as zonas de segurança sem ampliar a pista, “não faz qualquer sentido”.

O autarca socialista entende que só se justifica fazer “um aumento real da pista” até, pelo menos, 2.050 metros de comprimento, como propõe um estudo mandado elaborar pelo município, em 2017, que estima que o custo desta obra possa rondar entre os 35 e os 37 milhões de euros.

“Nós temos a ambição de voar, não só para Lisboa, mas voar o mais longe possível”, insistiu José Leonardo Silva, adiantando que, se existem fundos comunitários disponíveis para este tipo de obras, e se existe vontade em investir, “esta é uma oportunidade única” para concretizar a obra.

Além da Câmara da Horta, também outras forças políticas da ilha do Faial manifestaram, entretanto, o seu desagrado, perante o alegado recuo da ANA/VINCI em efetuar uma ampliação real da pista do Aeroporto da Horta.

O presidente do executivo regional açoriano, José Manuel Bolieiro, já tinha manifestado publicamente, no início desta legislatura, a intenção de colaborar com o Governo da República e com a ANA – Aeroportos de Portugal (Grupo Vinci Airports), no sentido de encontrar uma solução para o financiamento das obras de ampliação daquela infraestrutura.

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica