Presidente da TAP diz que estão reunidas as condições para que o orçamento deste ano seja cumprido

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O presidente executivo da TAP, Luís Rodrigues, considera que “à data de hoje” tem “todas as condições para acreditar” que vai ser possível concretizar o orçamento da companhia aérea portuguesa para 2024.

“À data de hoje não temos nenhuma indicação de que não vamos cumprir o orçamento que temos estipulado para a TAP para este ano”, disse Luís Rodrigues que foi ouvido nesta terça-feira, dia 18 de junho, no parlamento português, em Lisboa, na Comissão de Economia, Obras Públicas e Habitação sobre a situação da companhia, nomeadamente, sobre os prejuízos registados no quarto trimestre de 2023 e no primeiro trimestre de 2024.

Luís Rodrigues salientou, contudo, que esta confiança não significa que não seja necessário estar vigilante, tendo em conta até as características do mercado em que a TAP opera, mas sublinhou que “à data de hoje” tem “todas as condições para acreditar” que vai ser possível concretizar o orçamento para 2024.

“Não há neste momento nenhuma indicação que a TAP não consiga cumprir o orçamento a que se propôs em 2024”, voltou a dizer em resposta a questões colocadas por deputados dos vários partidos, sublinhando também que o objetivo da TAP, enquanto empresa pública, não é “maximizar lucros mas ser sustentadamente rentável”.

Esta audição decorre na sequência de requerimentos dos partidos PSD e do Chega que foram aprovados por unanimidade.

A TAP comunicou prejuízos de 71,9 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, um agravamento face ao resultado líquido negativo de 57,4 milhões registados no mesmo período do ano passado.

Em 2023, a companhia aérea registou um lucro ‘recorde’ de 177,3 milhões de euros, com um prejuízo de 26,2 milhões no último trimestre daquele ano.

Luís Rodrigues disse ainda que os resultados do primeiro trimestre deste ano não são comparáveis com o trimestre homólogo de 2023 pelo facto de no ano passado a empresa viver uma situação de custos mais baixos, mas que não era a normal, antes refletia uma “enorme falta de investimento na companhia nos cinco, seis anos anteriores” e em que a massa salarial ainda refletia os cortes salariais de 20% a 40%.

A empresa negociou novos acordos de empresa com todos os sindicatos representativos dos trabalhadores da companhia, após os antigos terem sido denunciados para que pudessem entrar em vigor os acordos temporários de emergência, que permitiram a aplicação de cortes salariais, no âmbito do auxílio de Estado e do plano de reestruturação, no seguimento das dificuldades causadas pela pandemia de covid-19.

A consequente subida dos custos com pessoal também pesa na comparação, com Luís Rodrigues a sublinhar a importância da paz social: “Os erros [neste setor da aviação] pagam-se muito caros e demoram muito tempo a resolver”, disse sublinhando que “se não tivermos paz social não conseguimos resolver o resto”.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV suspendem greve após acordo com empresa e o Governo de Cabo Verde

Os pilotos dos voos internacionais da TACV – Transportes...

Governo assegura que “não vai haver aporte do Estado” para o novo aeroporto de Lisboa

O ministro português das Infraestruturas, Miguel Pinto Luz (na...

Lisboa volta a ter voo direto para o Cairo – Egyptair retomou a rota com dois voos semanais

A Egyptair está de regresso a Portugal, tendo retomado...

CRJ-200ER despenhou-se no Nepal – Morreram 18 dos 19 ocupantes da aeronave que fazia um voo de teste

Um avião a jato bimotor CRJ-200ER da companhia nepalesa...