TAP inicia reuniões técnicas com trabalhadores para debater reestruturação

A Administração da TAP terá nestas quinta e sexta-feiras, dias 12 e 13 de novembro, reuniões técnicas com a Comissão de Trabalhadores da empresa e com os sindicatos representantes dos trabalhadores, e que decorrem no âmbito do processo de reestruturação da companhia, cuja primeira fase do plano está já concluída, segundo o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Nesta quinta-feira decorrem as reuniões com o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e a Comissão de Trabalhadores, informa um despacho da agência de notícias ‘Lusa’.

Já na sexta-feira, será a vez dos sindicatos dos trabalhadores de terra conhecerem o que está previsto no plano de reestruturação, que tem que ser apresentado à Comissão Europeia até ao dia 10 de dezembro.

Do outro lado da mesa estarão o representante da administração e coordenador do plano de reestruturação, Miguel Malaquias, bem como Carlos Elavai, da consultora Boston Consulting Group (BCG), que está a elaborar o plano, e o diretor de Recursos Humanos da TAP, Pedro Ramos.

 

TAP contrata empresa exterior para a comunicação da empresa

Na terça-feira, dia 10 de novembro, o ‘Expresso’ noticiou que a empresa ‘Cunha Vaz e Associados’ tinha sido escolhida, no âmbito de uma consulta pública, para assessorar a TAP, tendo como missão principal neste momento o dossiê de reestruturação da companhia.

Contactado pela ‘Lusa’, António Cunha Vaz confirmou a escolha, mas adiantou que ainda não começaram a trabalhar com a companhia aérea, estando neste momento a aguardar um contacto por parte da TAP para se reunirem, o que acredita que aconteça “um destes dias”.

A ‘Lusa’ contactou o Ministério das Infraestruturas sobre as razões que motivaram a contratação de uma empresa para fazer a assessoria da TAP, que tem gabinete de comunicação próprio, tendo a tutela respondido que “esse tipo de contratação faz parte da gestão executiva da TAP, não cabendo ao Governo pronunciar-se”.

 

Primeira fase da reestruturação da TAP está concluída, disse o ministro da tutela

Na semana passada, o ministro das Infraestruturas, que tutela a TAP dada a maioria de capital que hoje o Estado detém na empresa, disse no parlamento que “a primeira fase” do plano de reestruturação da TAP “está feita” e que as negociações com os sindicatos iam arrancar “desde já”.

Pedro Nuno Santos, que era ouvido no parlamento, no âmbito da apreciação na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), sublinhou que o plano de reestruturação “vai ser exigente” e “muito difícil”, porque de outra maneira os portugueses não iriam entender a injeção de dinheiros públicos que está a ser feita.

“Temos uma companhia aérea que está sobredimensionada para a realidade atual e temos de conseguir um processo restruturação que garanta que a companhia aérea vai ser viável e sustentável”, defendeu Pedro Nuno Santos.

“Não podemos manter artificialmente uma dimensão que não tem neste momento procura prevista”, acrescentou o ministro.

Perante os deputados, o ministro reafirmou ainda que a TAP vai necessitar de utilizar a totalidade dos 1.200 milhões de euros do empréstimo do Estado até ao final do ano.

Em 15 de outubro, Pedro Nuno Santos anunciou no parlamento que iriam sair 1.600 trabalhadores do grupo TAP até ao final do ano, tendo já saído 1.200 colaboradores.

Antes, o ministro das Infraestruturas e da Habitação já tinha afirmado que a TAP está a abandonar encomendas que já estavam feitas e a “negociar a devolução de alguns aviões”.

 

Nota do editor:

Desde há alguns meses que a TAP mudou a sua maneira de comunicar. As ‘notícias institucionais’ da companhia aérea estão a surgir, ocasionalmente, nas redes sociais, ou dispersas em diversos órgãos de comunicação, ao jeito do ‘soube-se’ ou do ‘diz-se no mercado’. Aceitamos, e sabemos que foi (e é) resultado da instabilidade vivida na cúpula da Comissão Executiva, mas tem resultado em prejuízo de uma cultura de imagem e da total abertura à Imprensa ou aos comunicadores profissionais, tão comum em outras companhias aéreas internacionais que, nem nos piores momentos, deixaram de divulgar as suas notícias, conferindo credibilidade à informação transmitida aos jornalistas. A instabilidade informativa numa grande empresa, mormente quando se trata de uma companhia aérea, arrasta falta de confiança e especulação, o que de todo, não agrada a ninguém. Nem aos jornalistas, nem aos leitores. E muito menos aos trabalhadores da TAP e empresas associadas, que, infelizmente, neste período tão difícil da sua vida profissional, ziguezagueiam, procurando respostas, entre as notícias verdadeiras e as menos verdadeiras de algumas contas das redes sociais.

Esperamos que a nova Comissão Executiva, mesmo provisória e a prazo, tenha em conta o bom trabalho que o Gabinete de Comunicação da companhia aérea sempre prestou à empresa e aos jornalistas, e que, também neste caso, retome as operações, após este já longo ‘confinamento’.

Catanho Fernandes

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica