Adolescente restaura avião vintage premiado

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img


A maioria das pessoas passa os seus anos de juventude a planear o seu futuro, mas Dillon Barron, que só fez 20 anos em Junho, passou uma boa parte dos anos de adolescência com um olho no passado, à medida que restaurava um Cessna 170B dos anos 50 em condição de saída de fábrica. Dillon e o pai, Mike, voaram este ano, da sua casa em Perry, no Missouri, até ao festival Sun ‘n Fun no seu Cessna restaurado. A dupla passou grande parte do tempo sentada debaixo da asa a contar a história do avião azul e metal polido.

O pai Mike Barron sublinha com orgulho que foi Dillon quem fez grande parte do trabalho e os seus esforços não passaram despercebidos, porque o C-170B trouxe para casa o prémio para o Melhor Clássico Restaurado, assim como Youth Achievement Award (prémio para o melhor feito de um jovem) do Sun ‘n Fun. “Nasci e cresci na aviação. O meu pai e o meu avô voaram ambos para a TWA e o meu pai iniciou a Barron Aviation, um negócio de reconstrução de Cessna 195. Por isso, pode dizer-se que nasci e cresci no meio de velhos clássicos. Gosto dos velhos motores radiais. Cresci na oficina a trabalhar com o meu pai”, explicou Dillon.

Na pré-adolescência, Dillon fez aeromodelismo e quando chegou aos 14 anos, aprendeu a voar nos planadores. “Voei a solo um planador no dia em que fiz 14 anos e quando fiz 16 anos estabeleci um recorde de voar a solo o mais convencional dos aviões durante um dia. O meu pai foi o meu instrutor”. Frisou. Dillon começou a restaurar o C-170B quando tinha apenas 14 anos. “O avião tinha sido deixado ao abandono durante 20 anos na placa do aeroporto de Hannibal, no Missouri. Tinha sido arrastado por tempestades e estava muito mal tratado. O leme tinha sido completamente arrancado e era a casa de toda a espécie de grilos e insectos”, recorda. “O meu pai fez-me a seguinte proposta: ele compraria o projecto e forneceria todos os componentes se eu fizesse todo o trabalho e assim ficaríamos com um avião para passear”, revelou.

Depois de erradicar toda a espécie de insectos e ninhos de ratos e de pássaros, o passo seguinte foi o de desmontar o avião todo. Os componentes foram removidos, inspeccionados, limpos ou substituídos. Embora o avião tivesse passado pelas mãos de três proprietários, havia documentação suficiente para recriar a sua história e, assim, restituir-lhe o seu aspecto original. Embora tivesse saído da fábrica da Cessna em Novembro de 1953, o número de série que foi atribuído era de 1954. O motor é um Continental de seis cilindros e 145 cavalos. Dillon acabou o avião a tempo de tirar a sua licença de piloto privado de aviões, quando fez 17 anos e tem voado com ele desde então.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

TAP Air Portugal terá 95 voos semanais para o Brasil no mês de julho

Uma delegação da TAP Air Portugal, liderada pelo seu...

Teste de táxi aéreo elétrico pode definir novo tipo de transporte para peregrinos do Hajj, na Arábia Saudita

Num movimento histórico, a Arábia Saudita conduziu com sucesso...

Instituto Superior de Aeronáutica e Turismo de Cabo Verde instalado na ilha do Sal

A Universidade Técnica do Atlântico (UTA) apresentou publicamente na...