ANA reduz tempo de trabalho em 20% nos aeroportos portugueses

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A ANA – Aeroportos de Portugal vai recorrer, a partir do próximo dia 1 de fevereiro, à medida de apoio à retoma e irá, no primeiro mês de aplicação, reduzir o tempo de trabalho em 20%, segundo o presidente executivo do grupo.

Numa mensagem aos trabalhadores da empresa, a que a agência de notícias ‘Lusa’ teve acesso, Thierry Ligonnière explicou que, tendo em conta os impactos que a pandemia está a ter no tráfego aéreo, informou a Comissão de Trabalhadores e as organizações sindicais “da decisão da ANA de utilizar, a partir de 1 de fevereiro, a medida governamental de apoio à retoma da atividade, que está em vigor desde 15 de janeiro”.

De acordo com o gestor, “no primeiro mês de aplicação desta medida, que decorrerá até ao final de junho, haverá uma redução uniforme de 20% do tempo de trabalho a todas” as equipas, “com exceção das funções de direção (que serão mobilizadas a tempo inteiro para esta implementação) e dos trabalhadores com horários em escala (devido à dificuldade de organização e comunicação das escalas em tempo útil)”.

Thierry Ligonnière revelou ainda que “esta medida será reavaliada e alargada no mês seguinte, prevendo-se a sua aplicação às áreas operacionais (horários em escala)”.

O presidente da ANA informou também que a cada mês “as equipas de gestão vão avaliar as necessidades reais da empresa em termos de tempo de trabalho, a fim de definir os níveis de redução para todas as suas equipas, seja em horários regulares ou por turnos”, assegurando que a “lei permite que esta redução seja modulada em função das necessidades”.

“De acordo com os termos da lei, o impacto na remuneração é variável, entendendo-se que para os salários mais baixos (abaixo de três salários mínimos) o pagamento integral das horas não trabalhadas é assegurado pela empresa, que assume posteriormente a responsabilidade de obter a comparticipação do sistema de segurança social”, esclareceu Thierry Ligonnière.

“Com a situação sanitária a deteriorar-se, com indicadores epidemiológicos dos mais preocupantes a nível mundial, e com o tráfego aéreo próximo de zero devido às restrições à circulação, aumenta, entre todos nós, a apreensão sobre a situação da nossa empresa e as ações a implementar a curto prazo”, referiu o presidente da ANA, na mesma mensagem.

O gestor revelou ainda que “o encerramento das contas da empresa confirmou a perspetiva de um resultado fortemente negativo para o exercício financeiro de 2020, e uma redução significativa” da capacidade financeira do grupo e que “2021 avista-se difícil, entre uma situação económica tensa, às vezes crítica, para as empresas do setor, com endividamento muito elevado, e a esperança do início de uma normalização resultante das campanhas de vacinação”.

Em julho do ano passado, a ANA anunciou que iria avançar com “um plano de saídas voluntárias”, no âmbito do redimensionamento das suas equipas, por causa do impacto da covid-19, segundo uma mensagem do presidente da empresa.

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas. Assim, simultaneamente, pedi a cada Direção que identificasse as atuais necessidades para, em conjunto com a direção de Recursos Humanos, ser elaborado um plano de saídas voluntárias”, referiu Thierry Ligonnière, num ’email’, enviado aos colaboradores, a que a ‘Lusa’ teve acesso.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...