Autoridades chinesas suspendem voos da Ethiopian para Xangai durante cinco semanas

A Ethiopian Airlines foi sancionada pelas autoridades chinesas e a sua autorização para voar entre Adis Abeba e Xangai está suspensa durantes cinco semanas, depois de 15 passageiros testaram positivo para a covid-19, após o desembarque no aeroporto chinês.

A notícia foi adiantada nesta quinta-feira, dia 22 de outubro, pelo site de informação aeronáutica francófono ‘Newsaero’ que justifica a suspensão pelo facto de terem viajado num voo da companhia etíope 15 passageiros com certificados de negatividade à covid-19, e que as autoridades de saúde de Xangai confirmaram serem falsos. Alguns foram obtidos junto do hospital chinês na capital etíope.

O voo ET684 da Ethiopian Airlines entre Adis Abeba e Xangai será suspenso entre 26 de outubro e 29 de novembro. Esta é uma consequência da suspensão de cinco semanas imposta pela Administração da Aviação Civil da China (CAAC) à companhia aérea nacional da Etiópia, devido ao elevado número de passageiros que foram levados para Xangai infectados com covid-19.

Cinco passageiros do voo testaram positivo na chegada ao Aeroporto de Xangai/Pudong em 6 de outubro, enquanto outros 10 passageiros no mesmo voo testaram positivo em 13 de outubro, disse a CAAC. Os passageiros infectados foram colocados em quarentena na chegada.

De acordo com uma diretriz da CAAC, em vigor desde 4 de junho, qualquer voo que desembarque entre cinco a nove passageiros que obtenham teste positivo para o vírus será suspenso por um período de uma semana. Além dos 10 casos, a empresa estará sujeita a uma suspensão de quatro semanas nesta rota.

Por outro lado, se todos os passageiros que chegam com um teste de voo negativo por três semanas consecutivas, a companhia aérea em operação terá permissão para aumentar seus voos para duas rotações por semana.

Esta não é a primeira vez que a Ethiopian Airlines é punida pelo CAAC. Já havia sido suspenso na rota Adis Abeba-Xangai por uma semana, em 31 de agosto, depois que cinco passageiros deram positivo.

Em reação a esta nova suspensão, a Ethiopian Airlines anunciou em comunicado que não aceitará mais os testes PCR realizados no Hospital Geral Chinês na Rota da Seda em Addis Abeba, onde vários dos seus passageiros com teste positivo haviam recebido os seus atestados médicos de negatividade à covid-19. Enquanto isso, a empresa continuará os seus voos comerciais de passageiros para as cidades chinesas de Chengdu e Guangzhou.

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica