Bruxelas autoriza garantia do Estado a empréstimo de 133 milhões para a SATA

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A Comissão Europeia aprovou nesta terça-feira, dia 18 de agosto, ao abrigo das regras da União Europeia (UE) em matéria de auxílios estatais, 133 milhões de euros em apoio de liquidez à SATA Air Açores (Grupo SATA). O auxílio permitirá à empresa cumprir as suas obrigações de serviço público, prestar serviços essenciais e garantir a conectividade da região ultraperiférica dos Açores, anunciaram instâncias comunitárias em Bruxelas.

Ao mesmo tempo, a Comissão abriu uma investigação para avaliar se certas medidas de apoio público por parte de Portugal a favor da empresa estão em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais a empresas em dificuldade.

A SATA é uma empresa de transporte aéreo controlada pela Região Autónoma dos Açores. Em conjunto com outra empresa pertencente ao mesmo grupo (SATA Internacional – Azores Airlines), a SATA presta serviços de transporte aéreo de passageiros e carga dentro dos Açores, e de e para vários destinos nacionais e internacionais. No que diz respeito a determinadas rotas, foi-lhe atribuída uma obrigação de serviço público para garantir a conectividade das ilhas. A SATA também fornece outros serviços essenciais, por exemplo a gestão e exploração de cinco pequenos aeroportos em diferentes ilhas dos Açores.

A SATA já enfrentava dificuldades financeiras antes do surto de coronavírus, ou seja, em 31 de dezembro de 2019. Desde pelo menos 2014, a empresa tem passado por perdas operacionais e nos seus relatórios de contas apresentava património líquido negativo nos últimos anos, o que foi agravado pelos efeitos do surto de coronavírus . A empresa enfrenta atualmente necessidades urgentes de liquidez.

Portugal notificou a Comissão Europeia sobre a sua intenção de conceder apoio urgente à SATA, com o objetivo de dotar a empresa de recursos suficientes para fazer face às suas necessidades urgentes e imediatas de liquidez até ao final de janeiro de 2021.

 

A SATA não é elegível para receber apoio ao abrigo do Quadro Temporário de Auxílios Estatais da Comissão, destinado a empresas que ainda não se encontravam em dificuldade em 31 de dezembro de 2019. A Comissão avaliou a medida ao abrigo de outras regras relativas a auxílios estatais, nomeadamente as Orientações de 2014 sobre o Estado auxílios de emergência e à reestruturação. Estes permitem aos Estados-Membros conceder ajuda temporária de liquidez aos prestadores de serviços de interesse económico geral para manter e preservar serviços essenciais como, por exemplo, a conectividade do transporte aéreo e a gestão aeroportuária. Esta possibilidade também está disponível no caso de um auxílio concedido pelo Estado-Membro à mesma empresa em dificuldade ser investigado pela Comissão.

As autoridades portuguesas estimaram que as necessidades de liquidez da SATA para os próximos seis meses em relação às obrigações de serviço público e serviços essenciais da SATA ascendem a cerca de 133 milhões de euros.

A Comissão concluiu que o auxílio individual concedido à empresa sob a forma de garantia pública até cerca de 133 milhões de euros por um empréstimo temporário se refere estritamente a necessidades urgentes de liquidez relacionadas com o fornecimento pela SATA de serviços essenciais, incluindo rotas sujeitas a obrigações de serviço público e serviços de interesse económico geral nos aeroportos locais. Concluiu que o auxílio é necessário para permitir à empresa continuar a prestar esses serviços.

Nesta base, a Comissão aprovou a medida ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais.

 

Abertura de investigação sobre outras medidas de apoio concedido à SATA

Separadamente, a Comissão decidiu abrir uma investigação para avaliar se certas medidas de apoio público a favor da SATA estão em conformidade com as Orientações de 2014 sobre os auxílios estatais de emergência e à reestruturação.

Desde 2017, a Região Autónoma dos Açores, que detém a totalidade do capital social do Grupo SATA, aprovou três aumentos de capital para fazer face, em parte, ao défice de capital da empresa. A maioria dos valores parece já ter sido paga. As autoridades portuguesas alegam que os aumentos de capital em causa não constituem um auxílio estatal ao abrigo das regras da UE, uma vez que o Governo Regional dos Açores, enquanto único acionista da SATA, agiu como um investidor privado que opera em condições de mercado.

A Comissão irá agora investigar mais aprofundadamente se os aumentos de capital constituíram um auxílio estatal que deveria ter sido notificado à Comissão e, em caso afirmativo, se as medidas de apoio anteriores satisfazem as condições das Orientações de 2014 relativas aos auxílios estatais de emergência e à reestruturação. A abertura de uma investigação aprofundada dá a Portugal e outras partes interessadas a oportunidade de apresentarem comentários. Não prejudica o resultado da investigação.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Contrato com a Binter para as ligações interilhas na Madeira prorrogado até setembro

A companhia aérea espanhola Binter vai assegurar por mais...

EuroAtlantic anuncia mudanças na equipa de gestão e nova injeção de capital do acionista

A companhia aérea portuguesa ‘Euro Atlantic Airways – Transportes...

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...