FIR Oceânica do Sal controlou menos 59,2% de aviões em 2020

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A FIR Oceânica do Sal controlou em 2020 uma média de 65 aeronaves por dia, em passagem no espaço aéreo gerido por Cabo Verde, quase menos 60% face a 2019, segundo dados da empresa pública ASA.

De acordo com um boletim de tráfego da empresa pública Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), ao qual a agência de notícias portuguesa ‘Lusa’ teve acesso, Cabo Verde controlou (sobrevoos) um total de 23.783 aeronaves em 2020, contra as 58.345 em 2019 (-59,2%).

No boletim, a ASA reconhece que em janeiro e fevereiro a FIR, cuja gestão é uma das atividades mais rentáveis daquele empresa estatal, “crescia a bom ritmo”, de 8,5% por mês, face a 2019, mas que face à pandemia de covid-19 “verificou-se a partir de março um decréscimo acentuado que se seguiu nos meses seguintes, afetando assim todo o ano de 2020”.

“A partir de maio nota-se uma ligeira melhoria mês após mês, mas ainda assim muito aquém dos primeiros meses, e longe do registado nos meses homólogos de 2019”, reconhece a empresa.

A gestão desta FIR é uma das principais fontes de receitas do setor aeronáutico de Cabo Verde.

Dezembro foi mesmo o melhor mês após o surgimento da pandemia, com 1.949 sobrevoos controlados pela FIR de Cabo Verde, mas distante dos valores de janeiro e fevereiro, respetivamente 5.151 e 4.552 sobrevoos.

O setor da aviação é um dos mais afetados pela pandemia de covid-19 em todo o mundo, com fortes limitações à atividade face ao encerramento do espaço aéreo de vários países, na tentativa de conter a progressão da doença.

Os rendimentos da ASA com o setor da navegação aérea cresceram 19% de 2017 para 2018, para 2.945 milhões de escudos (26,6 milhões de euros), o equivalente a 43% de todas as receitas da empresa pública, que gere os aeroportos do país, não tendo a empresa divulgado publicamente, até ao momento, os resultados de 2020.

 

TAP Air Portugal liderou com quase quatro mil sobrevoos

Das principais operadoras a sobrevoar o espaço aéreo de Cabo Verde em 2020 a companhia portuguesa TAP liderou, segundo a ASA, com uma quota de 16,4%, correspondente a quase 4.000 sobrevoos, mas longe dos 10.304 em 2019 (-62,1%).

A FIR (região de informação de voo) corresponde a um espaço aéreo delimitado verticalmente a partir do nível médio do mar, sendo a do Sal – que existe desde 1980 – limitada lateralmente pelas de Dacar (Senegal), Canárias (Espanha) e Santa Maria (Açores, Portugal).

Toda esta área está sob jurisdição das autoridades aeronáuticas cabo-verdianas, tendo a FIR sido criada em 1980.

A localização estratégica da FIR do Sal coloca-a “na encruzilhada dos maiores fluxos de tráfego aéreo entre Europa e a América do Sul e entre a África Ocidental e a América do Norte e Central e as Caraíbas”, explicou anteriormente a ASA.

O pico histórico mensal do movimento na FIR Oceânica do Sal registou-se em julho de 2019, com um total de 5.424 aeronaves controladas, equivalente a 175 sobrevoos diários.

O Centro de Controlo Oceânico do Sal funciona no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, tendo sido inaugurado em 24 de junho de 2004.

A FIR Oceânica do Sal controlou 58.345 movimentos de aeronaves em 2019, o maior número de sempre e um crescimento de 12,9% face ao ano anterior, segundo dados anteriores da ASA.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...