Bem-vindo, !|Sair

Grupo TAP melhorou resultados em 2016, mas ainda está no vermelho

banner-newsavia-app-android-750x65A TAP SGPS, que detém todas as atividades do grupo de aviação português, obteve um prejuízo de 27,7 milhões de euros em 2016, muito mais baixo que as perdas de 156 milhões de euros registadas no exercício anterior, segundo o Relatório e Contas, divulgada nesta sexta-feira, dia 24 de março.

Já antes de impostos, o resultado foi negativo em 28,3 milhões de euros, um desagravamento face aos 180,6 milhões negativos no ano anterior, enquanto a nível operacional [antes de gastos de financiamento e impostos] , a empresa obteve um resultado positivo de 13 milhões de euros, o que compara com 117,3 milhões de euros negativos em 2015.

“O resultado apresentado pelo grupo, embora ainda negativo, apresentou uma significativa melhoria, estando contudo largamente influenciado por uma conjuntura marcadamente desfavorável em alguns dos principais mercados da empresa no longo curso, tradicionalmente mais rentáveis”, lê-se no Relatório e Contas, divulgado pela agência noticiosa portuguesa ‘Lusa’.

Em particular, destaca “o impacto da contínua recessão económica no Brasil, a contração da economia angolana desde o decréscimo sustentado dos preços do petróleo e a deterioração continuada da economia venezuelana”, acrescentam.

 

TAP tem um total de 13.361 funcionários nas várias empresas do grupo

No final de 2016, a TAP SGPS tinha capitais próprios negativos de 469,6 milhões de euros, valor que compara com 530,3 milhões negativos em 2015. Já o ativo aumentou 20,6% para os 1.657,1 milhões de euros.

A TAP SGPS, holding que consolida as várias empresas do grupo – desde, entre outros, o transporte aéreo, a manutenção e engenharia ou a atividade de ‘handling’ – detinha no final do ano passado 13.361 trabalhadores, mais 259 funcionários que em 2015.

Relativamente ao transporte aéreo, tal como já tinha sido anunciado, a companhia aérea TAP regressou aos lucros em 2016, com um resultado líquido de 33,5 milhões de euros, quando em 2015 tinha registado um prejuízo de 99 milhões de euros, penalizado pela retenção de capitais na Venezuela.

“O regresso da companhia aérea aos lucros foi possível, apesar de uma quebra nas receitas, que totalizaram 2.242 milhões de euros, 156 milhões abaixo dos 2.398 milhões [de euros] registados em 2015”, adiantou a TAP, em 1 de março.

A companhia aérea liderada por Fernando Pinto explicou que “esta quebra [nas receitas] , no entanto, foi fortemente compensada por uma redução ainda mais expressiva dos custos operacionais, que ficaram pelos 2.042 milhões [de euros] , menos 227 milhões [de euros] do que em 2015”.

A TAP transportou em 2016 “um número recorde de passageiros, 11,7 milhões de euros, mais 400 mil do que em 2015.

Quanto à atividade da TAP – Manutenção e Engenharia Portugal “evidenciou um total de proveitos gerados em vendas e prestações de serviços de manutenção a terceiros de 70 milhões, menos 23% que em 2015, diminuição decorrente da menor atividade de manutenção das aeronaves, em função da ausência de ‘slots’ disponíveis para terceiros […] “.

A SPDH – Serviços Portugueses de Handling (Groundforce Portugal) atingiu um lucro de 6,1 milhões de euros, face aos 1,3 milhões do exercício anterior.

 

Como Ser Piloto? - CAE Oxford Academy

 

Prejuízo na TAP M&E Brasil baixou quase 10 milhões mas continua significativo

A TAP – Manutenção e Engenharia Brasil registou um prejuízo de 31,9 milhões de euros em 2016, face aos 40,2 milhões de euros de perdas em 2015, segundo o Relatório e Contas da TAP SGPS.

A TAP anunciou, recentemente, que vai dar início a “um programa de redesenho da sua estrutura organizacional com o objetivo de obter ganhos de eficiência e agilidade”, o que passará pela abertura de um programa de rescisões por mútuo acordo e, ao mesmo tempo, pela criação de cerca de 200 postos de trabalho.

Em comunicado, a TAP realçou que “a capitalização realizada pelos novos acionistas [Humberto Pedrosa e David Neeleman] permitiu em 2016 “fortes investimentos na companhia”, dos quais destaca a criação da TAP Express (marca que substituiu a marca PGA) e “a renovação total da frota regional, que passou de uma das mais antigas da Europa para a mais jovem a operar no continente europeu, o arranque da ponte aérea entre Lisboa e o Porto” ou ainda “o início da renovação dos interiores da frota Airbus”.

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica