IATA defende certificação de testes de diagnóstico e de vacinas contra a covid-19

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) está a desenvolver uma abordagem comum com 33 países para reabrir o tráfego aéreo afetado pelas restrições de viagem relacionadas com a pandemia de covid-19, revelou nesta sexta-feira, dia 26 de fevereiro, o presidente da IATA, Alexandre de Juniac.

O objetivo é chegar a um plano até ao fim de março com estes 33 países, representativos dos maiores mercados para a aviação, disse, num ‘webinar’ intitulado “Pandemia, Controlos nas Fronteiras e Viagens Internacionais”, organizado pelo instituto britânico Chatham House.

“Estamos a pedir aos governos para adotarem um plano e terem uma estratégia de reabertura consistente com estratégia de política de vacinação. (…) É possível estabelecer um plano que inclua reduções significativas do risco de infetar população”, afirmou Juniac.

O responsável afirmou que, diariamente, são feitas entre 200 a 300 ajustamentos nacionais às condições de entrada em todo o mundo, pelo que defende uma forma de reduzir a complexidade das medidas.

Uma das estratégias será estabelecer um sistema comum de reconhecimento e certificação de testes de diagnóstico e vacinas contra a covid-19 que possa ser usado por passageiros para viajarem internacionalmente.

A IATA está a desenvolver uma aplicação de telemóvel chamada “IATA Travel Pass”, que pode ser usada como certificativo de teste e vacina, mas admite que existam outras aplicações de telemóvel com o mesmo objetivo.

“Pode haver diferentes aplicações, mas devem ter um padrão único, para serem interoperacionais e serem ligadas ao sistema de reserva das transportadoras”, explicou.

A estratégia foi questionada pela professora universitária Kelley Lee, especialista em ciências médicas, alertando para o risco de criar exclusão e desigualdade entre países, além de ameaçar a resposta à pandemia.

“Do ponto de vista de saúde pública, é importante manter os riscos em baixo. Quando um país que tenta fazer ambos, o lado da saúde pública e o lado económico, tem menos sucesso em controlar o vírus”, disse, no mesmo ‘webinar’.

Lee acredita que a reabertura do tráfego aéreo seja gradual, à medida que a vacinação contra a covid-19 é feita internacionalmente, ilustrando com uma metáfora: “Alguns países vacinados mais rapidamente estarão prontos, mas vão estar vestidos sem poder ir a nenhum lado porque os outros países não vão estar ao mesmo nível”.

David Heymann, investigador do instituto Chatham House e especialista em Saúde Internacional, também se mostrou cético relativamente a este plano.

“Será difícil ter uma recomendação internacional da OMS [Organização Mundial de Saúde] aos certificados de vacinação antes de viajar enquanto houver uma distribuição desigual das vacinas”, justificou.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...