Jato executivo apreendido com droga em Salvador da Bahia é português

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O jato executivo apreendido na terça-feira, dia 9 de fevereiro, no Aeroporto Internacional Luiz Eduardo Magalhães/Salvador, no Estado da Bahia (LINK notícia relacionada), tem registo português (CS-DTP) e integra a frota da empresa portuguesa OMNI Aviação, com sede no Aeródromo Municipal de Cascais, nos arredores de Lisboa, noticiou nesta quarta-feira, o portal brasileiro de notícias de aviação ‘Aeroin’.

O jato, um trimotor Dassault Falcon 900B, foi apreendido pela Polícia Federal do Brasil, assim como três tripulantes e dois passageiros, que foram apresentados nesta quarta-feira às autoridades judiciais. Dados dos sistemas públicos de rastreamento de voos confirmam que a aeronave descolou do Aeroporto da cidade de Jundiaí, no interior do Estado de São Paulo, antes de fazer escala em Salvador.

O jato pertence à empresa portuguesa Omni Aviação, que tem uma empresa associada no Brasil, com atividade destacada no segmento de táxi aéreo e tem contratos com empresas de exploração de petróleo e gás no Brasil, com uma frota de modernos helicópteros.

O portal ‘Aeroin’ refere que, segundo dados públicos do ‘FlightRadar24’, o Falcon 900 de matrícula portuguesa chegou ao Brasil no último dia 28 de janeiro, após sair do hangar de pintura em Portugal. A aeronave parou em Salvador e prosseguiu para o Aeroporto de Jundiaí, no interior do Estado de São Paulo.

O aparelho saiu do aeroporto paulista no dia 7 de fevereiro, com destino a Salvador, e na terça-feira, dia 9, foi apreendido quando já estava a preparar-se para entrar na pista de descolagem, com vários pacotes (normalmente denominados tijolos) de cocaína, num total de 578 quilos. Segundo a Polícia Federal do Brasil, o destino da aeronave seria Lisboa.

Entretanto, nesta quarta-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal disse que o avião não tinha sido autorizado a aterrar em Lisboa. Não se sabe se devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19, ou se já se encontrava sob observação das autoridades policiais e de controlo de fronteiras.

O ‘Aeroin’ destaca que este já é o terceiro caso de um jato executivo apreendido na rota Brasil-Portugal nos últimos meses, por ilícitos criminais.

O primeiro foi no passado dia 1 de outubro, quando um jato executivo IAI Westwind (matrícula PP-SDW), chegou ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com uma carga clandestina de 170 quilos de cocaína, avaliada em cerca de seis milhões de euros, a preços usuais de mercado entre traficantes e consumidores. A Polícia Judiciária abordou a aeronave, apreendeu a droga e deteve cinco pessoas, três tripulantes brasileiros e dois portugueses, que viajavam como passageiros. O avião tinha descolado de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais, no dia 30 de setembro.

O segundo caso terá ocorrido em Dezembro de 2020, com outro jato executivo.

 

  • Notícia em atualização – 23h30 UTC
  • Na imagem de abertura vemos o Dassault Falcom 900B da OMNI Aviação no Aeroporto da ilha do Porto Santo, em abril de 2013. Foto © Paulo Brito

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...