Piloto militar morre em desastre de helicóptero de combate a fogos no norte de Portugal

Um helicóptero ao serviço do sistema nacional de combate a fogos florestais caiu nesta quinta-feira, dia 5 de setembro, em Sobrado, concelho de Valongo, na área metropolitana do Porto, norte de Portugal.

O ‘Jornal de Notícias’ (JN), que tem sede na cidade do Porto, noticiou no seu portal digital que morreu o piloto, único ocupante da aeronave, que tinha acabado de desembarcar cinco bombeiros no cenário do incêndio florestal que grassa na zona, desde cerca das 16h00 locais.

Uma testemunha contou ao JN que viu o helicóptero a colidir com um poste de alta tensão e a cair, tendo ouvido um ruído. Quando a aeronave caiu, explodiu e as chamas causaram um pequeno foco de incêndio na floresta.

 “Bateu num cabo de alta tensão. Vimos uma faísca quando a hélice bateu. Deu duas voltas no ar e caiu”, disse ao JN uma outra testemunha, que terá dado o alerta para o acidente. Segundo ele, o helicóptero teria acabado de deixar cinco tripulantes no solo.
O aparelho ficou totalmente carbonizado. Uma equipa do GPIAAF – Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários vai iniciar nesta sexta-feira os trabalhos de inspeção dos destroços a fim de promover o relatório que procurará encontrar as causas do acidente.

O helicóptero pertence à empresa portuguesa HeliBravo e estava ao serviço da AFOCELCA. Trata-se de um Eurocopter AS350 B2 Ecureuil que  ostentava o registo nacional CS-HFT.

A AFOCELCA é um agrupamento complementar de empresas do grupo ‘The Navigator Company’ e do grupo ALTRI que com uma estrutura profissional de bombeiros que tem por missão apoiar o combate aos incêndios florestais nas propriedades das empresas agrupadas, em estreita coordenação e colaboração com a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). Aliás, este helicóptero estava incluído na listagem de meios aéreos disponíveis para combate a incêndios florestais no corrente Verão.

O alerta para o incêndio foi dado pelas 16h05 horas. Segundo informação da Proteção Civil, na página oficial consultada pelas 16.45 horas, no combate às chamas estavam 47 operacionais, apoiados por 10 viaturas e dois meios aéreos.

Em dezembro de 2018, a queda de um helicóptero do INEM na zona de Valongo provocou a morte a quatro pessoas (LINK notícia).

O alerta para o incêndio foi dado pelas 16h05 (15h05 UTC). Segundo informação da Autoridade Nacional de Proteção Civil no combate a esse fogo florestal estavam destacados 47 operacionais, apoiados por 10 viaturas e dois meios aéreos.

Aguarda-se uma comunicação oficial da Autoridade Nacional de Proteção Civil, com elementos concretos sobre mais este acidente com uma aeronave de combate a fogos florestais em Portugal.

Piloto falecido era militar e estava colocado na Esquadra dos EH101 no Montijo

O piloto do helicóptero que caiu nesta quinta-feira, dia 5 de setembro, em Sobrado, era capitão piloto-aviador da Força Aérea Portuguesa (FAP).

O capitão Noel Ferreira tinha 35 anos de idade e prestava serviço na esquadra 751, de helicópteros de busca e salvamento EH101, sediada na Base Aérea do Montijo, confirmou uma fonte oficial da Força Aérea.

O porta-voz da FAP disse ao ‘Correio da Manhã’, que o piloto-aviador estava devidamente autorizado pelas chefias militares a combater incêndios florestais ao comando do helicóptero ao serviço da AFOCELCA.

Noel Ferreira era ainda comandante dos Bombeiros Voluntários de Cete, freguesia da Área Metropolitana do Porto, funções para as quais estava também autorizado pela FAP. Na foto que acima publicamos o falecido piloto enverga a farda dos bombeiros.

 

 

  • Notícia atualizada e corrigida às 00h15 UTC de 6 de setembro de 2019

 

  • Na imagem de entrada vemos o helicóptero sinistrado fotografado na segunda-feira passada, dia 2 de setembro. Foto © Marco Mendes

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica