Relatório encontra erros “perturbadores” no desenvolvimento do Boeing 737 MAX

A investigação da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América culpa severamente a fabricante de aviões Boeing e a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) por seu papel na queda de duas aeronaves 737 MAX, que causaram a morte de 346 pessoas.

Após 18 meses de investigação, a maioria democrata da Comissão de Transporte e Infraestrutura da Câmara publicou um relatório final de 239 páginas detalhando um “padrão perturbador de erros de cálculo técnicos e equívocos de gestão preocupantes feitos pela Boeing” durante o desenvolvimento do 737 MAX, também à medida de uma supervisão falhada por parte da FAA.

“A Boeing falhou em seu projeto e desenvolvimento do MAX, e a FAA falhou em sua supervisão da Boeing e sua certificação da aeronave”, afirma o relatório. “As falhas do MAX não foram o resultado de uma falha singular, erro técnico ou evento mal gerenciado. Eles foram a culminação horrível de uma série de suposições técnicas incorretas dos engenheiros da Boeing, uma falta de transparência por parte da administração da Boeing e uma supervisão grosseiramente insuficiente da FAA.”

O relatório da Comissão aponta para “projeto defeituoso e suposições de desempenho” feitas pela Boeing, especialmente no sistema MCAS. O fato de o sistema estar agindo em sensores não redundantes, sua classificação como um sistema não crítico e a suposição de que os pilotos seriam capazes de neutralizar um mau funcionamento são criticados.

Condena uma “cultura de ocultação” do fabricante, especificamente no que diz respeito à ausência de alerta de desacordo do ângulo de ataque (AOA) nas aeronaves entregues.

A segurança do Boeing 737 MAX foi ainda mais prejudicada pela pressão da administração da empresa para manter a produção dentro do cronograma para competir com as novas aeronaves A320neo da Airbus e evitar quaisquer custos desnecessários.

Essas descobertas ecoam o relatório do Inspetor Geral do Departamento de Transporte (DOT) publicado em 29 de junho de 2020, que descobriu que a Boeing desviou a atenção da FAA do sistema MCAS e colocou “pressão indevida” nos seus funcionários atribuído à certificação da aeronave.

A capacidade de fiscalização da FAA também é questionada. “A FAA falhou em exercer totalmente sua autoridade de supervisão e essa falha afetou negativamente a segurança”, diz o relatório. “A agência não fez perguntas ou examinou suficientemente as respostas da Boeing em relação a questões críticas relacionadas à certificação envolvendo treinamento de pilotos e projeto técnico”.

“Essas questões devem ser tratadas pela Boeing e pela FAA a fim de corrigir as práticas de certificação inadequadas que surgiram, reavaliar as principais premissas que afetam a segurança e aumentar a transparência para permitir uma supervisão mais eficaz”, conclui a Comissão.

Após a publicação do relatório, o Presidente da Comissão, Peter DeFazio, qualificou a certificação da aeronave como “incompreensível”. “Vamos tomar medidas em nossa legislação para evitar que isso aconteça novamente enquanto reformamos o sistema”, prometeu DeFazio.

Dois representantes republicanos, Sam Graves do Missouri e Garret Graves da Louisiana, que fazem parte da Comissão de Transporte e Infraestrutura da Câmara, questionaram a objetividade da investigação. “As recomendações de especialistas já levaram a mudanças e reformas, com mais por vir”, disseram os representantes em um comunicado conjunto. “Essas recomendações – não um relatório investigativo partidário – devem servir de base para a ação do Congresso”.

Clique aqui para acessar o Relatório Final, registos recém-lançados que acompanham, incluindo entrevistas transcritas de funcionários da Boeing e da FAA sobre o 737 MAX, bem como declarações anteriores e vídeos.

Clique aqui para ver o relatório completo (245 páginas em PDF), no site da Comissão.

 

Esta matéria foi publicada nesta quinta-feira, dia 17 de setembro, pelo site de notícias ‘CAVOK – Asas da Informação’, do Brasil, e é da autoria do jornalista Fernando Valduga. LINK texto original

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica