Sindicato apela à EasyJet para apresentar “proposta trabalhável” após nova greve de cindo dias

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) instou a companhia aérea EasyJet a apresentar uma proposta “no mínimo trabalhável” aos tripulantes de cabina colocados nas bases portuguesa da companhia britânica, em greve desde sexta-feira, dia 21 de julho, com uma adesão de 90%, segundo os números que têm sido divulgados pelo sindicato.

“Ninguém faz uma greve de ânimo leve. Lamentamos o transtorno que estamos a causar aos passageiros. É importante que a empresa perceba que com este desgaste não vai a lado nenhum e está a prejudicar todas as partes envolvidas e que apresente uma proposta séria que nós possamos dizer é trabalhável”, disse Ricardo Penarróias.

Em declarações à agência de notícias ‘Lusa’, nesta terça-feira, dia 25 de julho, último de cinco dias de greve que levou ao cancelamento de centenas de voos e ligações, o presidente SNPVAC lamentou que a empresa “tenha optado por sair da mesa de negociações”, garantindo que o sindicato e os trabalhadores estão disponíveis para retomar o diálogo.

“A empresa é que saiu da mesa de negociações. Nós nunca saímos. Esperemos que depois da greve, a empresa apresente uma proposta mais próxima daquilo que pretendemos”, referiu o sindicalista.

Ricardo Penarróias considerou que o balanço desta que é a terceira greve em poucos meses dos tripulantes de cabina da easyJet é “positivo com mais de 90% de adesão” o que demonstra “união e resiliência”.

“Demonstraram, mais uma vez, que estão unidos e irão até ao fim na luta e na conquista das suas reivindicações que são mais do que legitimas”, referiu.

Em causa está, insistiu, “tentar atenuar o fosso salarial e de condições de trabalho em relação a outros tripulantes de outras bases e de outros países”.

“Apesar de tudo o que se passou antes e durante a greve, desde ataques até desinformação, esta adesão é muito significativa. A empresa tentou contornar a lei recorrendo a outros tripulantes de outras bases para colmatar os grevistas em Lisboa e no Porto”, descreveu Ricardo Penarróias.

O responsável considerou que esta adesão “dá mais força ao sindicato e aos tripulantes de cabina e demonstra que a empresa está errada na sua postura”.

“Estamos a falar da terceira greve. É natural que haja um desgaste. Acredito que a empresa esteja a jogar com esse fator. É preciso não esquecer que os tripulantes de cabina vivem muitas variáveis que têm uma parcela muito importante no seu rendimento: se não voam não recebem. Mas eles sabem que estamos a lutar por algo que é justo e que no final o que queremos é chegar a bom porto nas nossas reivindicações”, terminou.

Esta é a terceira greve destes trabalhadores no espaço de cerca de três meses.

Os dirigentes sindicais acusam a transportadora de “precarização e discriminação” face aos outros países e exigem aumentos salariais, bem como melhores condições de trabalho.

Na sexta-feira, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, fonte do sindicato indicou que os destinos mais afetados pela paralisação eram Madeira, Londres, Paris, Genebra e Luxemburgo.

Nesta terça-feira, dia 25, decorre, em Lisboa, no Aeroporto Humberto Delgado, um protesto dos tripulantes de cabina da companhia de baixo custo britânica.

Nas faixas e cartazes leem-se frases como “Bónus milionários, salários precários” ou “Aviação em expansão, salários é que não”.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...