TAP espera que no Verão de 2023 a operação “corra muito melhor”

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O administrador com o pelouro financeiro da TAP (CFO), Gonçalo Pires, garantiu nesta sexta-feira, dia 11 de novembro, que a administração da companhia está “a fazer tudo para que 2023 corra muito melhor” em termos operacionais, sobretudo no Verão.

Em entrevista à agência de notícias ‘Lusa’, o gestor disse que a empresa estava “a trabalhar precisamente para isso”, mas recordou vários constrangimentos. A TAP, à imagem de outras companhias aéreas europeias, cancelou dezenas de voos durante o Verão por problemas operacionais.

“A TAP vive com um tema estrutural, que é a nossa infraestrutura. Estamos com um aeroporto congestionado”, recordou, abordando ainda a questão da insolvência da Groundforce, que presta serviços de assistência em terra nos aeroportos (handling), processo sobre o qual disse esperar “ter notícias em breve”.

“Tivemos estes upgrades tecnológicos na NAV [Navegação Aérea de Portugal, que implementou um novo sistema de controlo aéreo no País], estamos a lidar com o absentismo dos tripulantes de cabina”, destacou, indicando que é preciso melhorar “em cada um destes pontos para no próximo Verão ter uma operação muito mais consistente”.

Gonçalo Pires reconheceu que é nos picos da atividade que existem os “maiores problemas”. Por isso, disse que a companhia estava muito concentrada “em garantir que o próximo Verão correrá muito melhor”, apontando ainda os problemas de frota que prejudicaram a companhia.

 

TAP receberá mais três Embraer E-Jets até ao início de 2023

“Quando chegámos havia um plano para receber seis novos E-Jets da Embraer”, mas “esses aviões estão ainda atrasados, só recebemos três e ainda estamos à espera de três que esperamos receber até ao início do próximo ano”, indicou, recordando ainda as questões em torno da “fiabilidade da frota de [aviões] ATR”.

“Reduzimos a frota dos ATR e acabamos o contrato com a White”, recordou, explicando que “não era um operador com uma sustentabilidade financeira para garantir serviço aos clientes da TAP”, sendo que, por isso, haverá “mais fiabilidade na operação” da companhia.

“Estamos a fazer tudo para que 2023 corra muito melhor”, rematou.

Questionado sobre a possibilidade de a TAP optar por mais contratos de prestação de serviços externos, conhecidos na aviação como ACMI, o administrador financeiro realçou que “em 2022 foram menores do que em 2019”.

Gonçalo Pires justificou a opção por estes contratos, muito contestados pelos sindicatos, “pelo atraso dos E-Jets”, indicando que foi preciso “proteger o serviço”, e por “um problema técnico” com a frota do A330-900neo da Airbus.

“A guerra criou problemas na cadeia de abastecimento e isto está a gerar grandes impactos nas cadeias de produção especialmente em aviões”, referiu, lembrando que depois da pandemia “houve uma grande recuperação da atividade e isso causou problemas”.

“Para o ano é possível que tenhamos que usar taticamente ACMI se tivermos algum problema com algum dos nossos parceiros, mas será sempre para suprir uma operação, todas as companhias aéreas o fazem”, sublinhou.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Volotea e Abra (Avianca e GOL) juntam-se para operações conjuntas entre a Europa e as Américas

A Volotea, que se intitula a companhia aérea espanhola...

Pedro Barros é o novo presidente do Conselho de Administração da TACV

Pedro Barros, atual presidente do Fundo Soberano de Garantia...

Lufthansa City Airlines arranca no dia 26 de junho com voo Munique-Birmingham

A Lufthansa City Airlines, a companhia aérea mais jovem...

Bubaque, no Arquipélago dos Bijagós, terá um novo aeroporto para tráfego regional

O Governo da República da Guiné-Bissau e a ‘Royal...