TAP justifica atraso na entrega das malas dos passageiros do voo Luanda-Lisboa

Vários passageiros do voo regular da TAP Air Portugal entre Luanda e Lisboa, na passada sexta-feira, dia 8 de abril, chegaram à capital portuguesa sem bagagem, um problema que a companhia aérea atribuiu às obras que decorrem no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, na capital angolana.

Um dos passageiros afetados pela situação, identificado como João R., disse à agência portuguesa de notícias ‘Lusa’ à chegada a Lisboa, no sábado de manhã, que aguardou cerca de 30 minutos junto à passadeira, mas só apareceram cerca de uma dezena de malas, admitindo que mais de metade dos passageiros tenham ficado com a bagagem em Luanda.

“Disseram-me que as malas chegariam no voo da noite de domingo, no entanto só recebi um email automático dizendo que a mala tinha chegado ontem (terça-feira) à noite”, afirmou nesta quarta-feira, dia 13 de abril, o passageiro, que se mostrou insatisfeito com a falta de resposta da transportadora. “Nunca me contactaram pessoalmente, tive de ser sempre eu a ligar para saber o que tinha acontecido à minha mala e ainda vou ter de ir buscá-la ao aeroporto”, criticou.

Fonte da TAP responsabilizou as obras na pista do aeroporto de Luanda pelo incidente, já que condicionam o peso do avião à descolagem por motivos de segurança de voo. “Esta situação pode obrigar a retirar algum peso do avião, nomeadamente carga ou bagagens, em quantidade variável (e que pode até ser nula), dependendo da ocupação de cada voo específico e das condições meteorológicas a cada momento, nomeadamente a direção e intensidade do vento”, referiu.

Segundo a mesma fonte, as malas do voo em questão foram transportadas logo no dia seguinte (domingo) e foram entregues aos passageiros, o que não aconteceu pelo menos no caso do passageiro em questão. A ‘Lusa’ perguntou à TAP sobre quantos passageiros foram afetados e o número de malas que ficaram em Luanda, mas a companhia não respondeu.

Questionada sobre se os passageiros serão indemnizados, a TAP respondeu igualmente de forma vaga: “São aplicáveis nesta situação todos os regulamentos de transporte aéreo, que a TAP cumpre escrupulosamente”. Segundo o passageiro contactado pela ‘Lusa’, no seu caso, “disseram que apenas pagariam produtos de higiene básica, primeira necessidade, com apresentação das devidas faturas”.

 

  • Foto abertura © ANA Aeroportos

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica