Apoios do Estado à TAP poderão agravar em mais 4% o défice português

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Conselho das Finanças Públicas alertou que, num cenário em que os encargos com os apoios da TAP atingem o máximo previsto, o défice pode agravar-se este ano para 4,5%, face às previsões base do organismo, de 4,1%.

“Os resultados obtidos apontam para que o saldo orçamental face ao projetado no cenário base registe uma deterioração média de 0,2 p.p. [pontos percentuais] do PIB [Produto Interno Bruto] ao longo de período de 2021 a 2024, sendo o ano de 2021 aquele em que o impacto do apoio financeiro do Estado seria maior (0,3 p.p. do PIB), agravando o défice para 4,5% do PIB”, disse a entidade, no documento ‘Perspetivas Económicas e Orçamentais 2021-2025’.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alerta ainda que, “ao nível da dívida pública, o impacto do cenário adverso na trajetória daquele indicador resultaria num agravamento de 0,8 p.p., elevando para 117,9% o rácio da dívida pública, no final do horizonte de projeção”.

O Governo português “indicou que as necessidades de financiamento da companhia aérea nacional, TAP, poderiam totalizar entre 3.414 e 3.725 milhões de euros até 2024”, recordou a entidade, acrescentando que, “depois de, em 2020, o Estado ter concedido um empréstimo de 1.200 milhões de euros à TAP, o plano aponta para que em 2021 a companhia aérea nacional necessite de novos apoios entre 970 e 1.164 milhões de euros”.

O CFP lembrou ainda que “nos três anos seguintes prevê-se um menor montante de apoios, devendo em 2022 se fixar entre 473 e 503 milhões de euros e em 2023 atingir montantes entre 379 e 438 milhões de euros”, sendo que para 2024, “último ano em que se prevê que a companhia aérea precise ainda de apoio, as necessidades de financiamento calculadas não deverão ir além do intervalo entre os 329 e os 420 milhões de euros”.

O organismo não considerou estes valores no seu cenário de projeção orçamental, tendo em conta que o plano de reestruturação da transportadora ainda está a ser analisado por Bruxelas, mas resolveu, ainda assim, estimar o seu potencial impacto.

O CFP pressupôs que “o apoio financeiro anual (empréstimo do Estado) corresponde ao montante máximo do intervalo das necessidades de financiamento previstas para cada ano: 664 milhões de euros em 2021, montante que acresce aos 500 milhões de euros previstos na POE/2021, já considerados no cenário base, totalizando 1.164 milhões de euros; 503 milhões de euros em 2022; 438 milhões de euros em 2023; e 420 milhões de euros em 2024”.

Além disso, o organismo construiu um cenário em que “o impacto total dos montantes acima referidos no saldo global é acrescido dos encargos com juros, que refletem o custo de financiamento daqueles apoios do Estado” e em que “o financiamento daqueles apoios assenta numa taxa de juro de 1%, que tem por base a taxa de juro para novas emissões de longo-prazo a obter no mercado secundário de dívida, no final do horizonte”.

Por fim, a entidade pressupôs que “não existe a devolução de parte dos apoios concedidos pelo Estado, a partir de 2025”.

O CFP ressalvou, no entanto, que, de acordo “com os esclarecimentos prestados pelo secretário de Estado Tesouro”, na sessão de apresentação do plano de reestruturação da TAP, “admite-se que a cobertura das necessidades de financiamento, a partir de 2021, não obrigue ao desembolso de fundos por parte do Estado, mas sim à concessão de garantias do Estado a novos empréstimos a contratar pela TAP”, tendo sido “admitido igualmente que, a partir de 2025, a TAP pudesse iniciar a devolução parcial dos apoios concedidos pelo Estado”.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...