Bielorrússia ‘sequestra’ avião da Ryanair e detém jornalista crítico do regime

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

Alexandr Lukashenko, Presidente da República da Bielorrússia, país da Europa de Leste que esteve integrado na ex-União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) até 1991, data em que se tornou independente, mandou desviar no domingo, dia 23 de maio, para o seu país, um avião comercial da Ryanair, de onde retirou de bordo um jornalista crítico do seu governo e da sua conduta política.

O avião, o Boeing 737-800, matrícula SP-RSM, viajava de Atenas, na Grécia, para a cidade de Vilnius, na Lituânia, quando a tripulação foi avisada pelo controlo aéreo da Bielorrússia, que deveria divergir para o aeroporto de Minsk, devido a um incidente grave de segurança (ameaça de bomba ou explosivos a bordo da aeronave). Logo após o alerta o avião passou a ser acompanhado por um avião caça-bombardeiro MIG-29 até à aterragem.

A Ryanair, em comunicado divulgado ao princípio da noite de domingo, confirmou que a tripulação do seu avião, que transportava 120 passageiros, tinha sido “notificada pelo serviço de controlo de tráfego aéreo bielorrusso de uma potencial ameaça à segurança a bordo e foi instruída a desviar para o aeroporto mais próximo, Minsk”.

A agência de notícias espanhola ‘Efe’ noticiou que um canal do serviço de mensagens ‘Telegram’ associado ao serviço de imprensa do Governo bielorrusso explicou que o presidente do país foi “imediatamente informado” da suposta ameaça e “deu a ordem incondicional de mudar a rota do avião e recebê-lo” no aeroporto de Minsk.

De acordo com o canal, Lukashanko também deu instruções para que um caça MIG-29 “escoltasse o avião de passageiros”. Após a aterragem no aeroporto, os serviços especiais bielorrussos não encontraram qualquer dispositivo explosivo no avião, mas detiveram o jornalista Roman Protasevich, após os passageiros terem sido obrigados a passar por um novo controlo no terminal aéreo.

Notícias veiculadas por círculos opositores disseram que se tratou de um autêntico sequestro de uma aeronave civil com passageiros a bordo viajando entre dois países da União Europeia, e que dois bielorrussos e quatro russos que viajavam desde Atenas não continuaram a viagem para Vilnius quando o avião da companhia aérea europeia foi finalmente autorizado a retomar o voo após sete horas na capital bielorrussa.

“O regime forçou um avião a aterrar para prender Roman Protasevich. Ele enfrenta a pena de morte na Bielorrússia”, disse no Twitter a líder da oposição bielorrussa, Svetlana Tikhanovskaya, atualmente exilada.

Outros passageiros comentaram que o próprio Protasevich disse pouco antes da sua prisão que iria enfrentar “a pena de morte”.

 

  • A foto de abertura foi encontrada em diversas contas nas redes sociais e mostra o avião da Ryanair parqueado em Minsk, numa ocasião em que as forças de segurança locais verificavam as bagagens dos passageiros. Não está referenciado o autor da imagem.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...