Cabo Verde desiste do negócio dos CASA C212 Aviocar

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Governo cabo-verdiano anunciou nesta quarta-feira, dia 8 de julho, que já não vai trocar o antigo avião Dornier 228 da Guarda Costeira por dois aviões CASA C212 Aviocar, negócio que envolvia a portuguesa Sevenair, optando pela sua venda e compra de outro aparelho.

“Era uma opção que estava sobre a mesa que nunca foi concretizada [troca do avião por dois CASA]. Houve uma intenção, mas que não foi concretizada”, afirmou o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, questionado pelos deputados, no arranque da primeira sessão parlamentar de julho, que decorre até sexta-feira e prevê a discussão e votação da proposta de Orçamento Retificativo para 2020.

Isto porque a proposta do Orçamento Retificativo para este ano conta com uma dotação específica de 600 milhões de escudos cabo-verdianos (5,5 milhões de euros) para a aquisição de um “avião para emergências”, através do Ministério da Defesa (Guarda Costeira), para garantir, nomeadamente, as evacuações médicas entre as ilhas, atualmente feitas por voos comerciais.

“O Governo entendeu, de acordo com os estudos feitos por técnicos e especialistas, em como o custo da manutenção do Dornier [avião que estava ao serviço da Guarda Costeira] é muito mais elevado do que o montante que precisamos para adquirir um avião mais novo e em condições. E mais adaptado para fazer as duas coisas [evacuações e patrulhamento]”, afirmou Olavo Correia.

A Sevenair assinou em julho de 2018 um acordo com o Governo de Cabo Verde para a troca de um avião Dornier 228 da Guarda Costeira cabo-verdiana por dois CASA C212 Aviocar, propriedade deste grupo português de aviação. Os dois aviões militares destinavam-se, entre outras operações da Guarda Costeira, ao transporte de doentes entre as ilhas cabo-verdianas, mas permaneciam, no final de 2019, em processo de operacionalização, com sucessivos atrasos na entrega.

Um negócio que agora não avança, como explicou Olavo Correia: “A opção que nós temos hoje é de vender o Dornier: Porquê? De acordo com os estudos feitos, para repararmos o Dornier, fazermos a manutenção e garantirmos a operacionalidade, precisamos de pelo menos 4,8 milhões de euros. Com esse montante, nós podemos comprar aviões muito mais novos e em melhores condições de operar nos céus de Cabo Verde”.

O objetivo, sublinhou, passa por investir “para comprar um avião que possa fazer ao mesmo tempo a evacuação sanitária, sem concorrer com as empresas que atuam no setor comercial”, garantindo também a fiscalização da zona económica exclusiva e do espaço aéreo de Cabo Verde.

“Esta é a decisão que foi tomada, de vender o avião Dornier, assim como está, porque não se justifica investir na sua recuperação e manutenção, e comprar novos aparelhos para que possamos vencer o desafio da segurança, e particularmente da segurança sanitária”, concluiu.

Em causa, para esta nova opção, está o programa de Reforço do Sistema Nacional de Saúde devido aos efeitos da covid-19, que conta com uma dotação de 2.663 milhões de escudos (24,1 milhões de euros), conforme consta da proposta de Orçamento Retificativo para 2020, a votar esta semana na Assembleia Nacional.

O documento esclarece que a aquisição de aeronave visa “dar resposta à situação de emergência para além do patrulhamento aéreo, com recurso ao Fundo Soberano de Emergência”, sendo o investimento “alocado às Forças Armadas para efeito de gestão, mediante uma renda anual de aproximadamente 60 a 70 milhões de escudos [540 mil a 630 mil euros]”.

A Guarda Costeira de Cabo Verde tinha dois aviões Dornier Do-228 na sua frota. Um encontra-se avariado (D4-CBK) e outro sofreu um acidente grave, no dia 7 de agosto de 1999, na cidade do Mindelo, ilha de São Vicente, a cerca de 10 quilómetros do aeroporto. A aeronave, registo D4-CBC, transportava 16 passageiros e dois pilotos, que morreram na queda do aparelho, que ficou totalmente destruído.

 

  • A imagem de abertura mostra o Dornier Do-228, matrícula D4-CBK, da Guarda Costeira. Foto © Peter Bakema/Jetphotos obtida na aproximação ao Aeroporto do Luxemburgo/Findel em 2010.

 

  • LINK notícia relacionada

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

KC-390 da FAP ganha prémio mais importante em festival internacional no Reino Unido

Um avião KC-390 Força Aérea Portuguesa (FAP) foi distinguido...

Pilotos da TACV marcam greve de uma semana partir de 24 de julho

Os pilotos da TACV – Transportes Aéreos de Cabo...

Governo reuniu-se com a ANA para preparar o projeto do Novo Aeroporto de Lisboa/Luís de Camões

O ministro das Infraestruturas e Habitação e o secretário...