Companhias de baixo custo contestam nova taxa de carbono em Portugal

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

As duas principais companhias de baixo custo que operam nos aeroportos portugueses – a EasyJet e a Ryanair – opõem-se à aplicação de uma nova taxa de carbono sobre os bilhetes de viagens aéreas, cuja proposta foi aprovada na quarta-feira passada, dia 25 de novembro (LINK notícia relacionada).

No dia em que a taxa foi aprovada na Assembleia da República, em Lisboa, em sede de debate do Orçamento de Estado para 2021, foi revelada uma carta que o diretor-geral da EasyJet, José Lopes, enviou ao primeiro-ministro e aos partidos com assento no Parlamento português, em nome da companhia, e acerca da repercussão desta nova taxa na aviação comercial e para os inconvenientes que ela poderá provocar num país que vive do turismo e faz uma grade aposta na conectividade com o exterior.

“Apoiamos medidas para reduzir o impacto da aviação no ambiente”, garante a transportadora, assegurando, no entanto, “que uma ecotaxa como esta, proposta numa alteração ao Orçamento do Estado para 2021, não apenas expõe a indústria a mais dificuldades financeiras no meio da atual crise covid-19, mas também não dá a resposta necessária aos desafios ambientais”.

Na carta, a EasyJet defende que “um imposto na aviação sobre cada passageiro não é a abordagem certa, pois não oferece incentivos para as companhias aéreas ou passageiros melhorarem a eficiência do carbono nos seus voos, como confirmado pelo Eurocontrol num artigo de outubro de 2020, que revela que os impostos têm pouco impacto sobre as emissões”.

Para a EasyJet, esta taxa “simplesmente reduzirá os fundos disponíveis para os investimentos das companhias aéreas em novas tecnologias e terá um impacto desproporcional sobre aqueles que viajam nos voos de curta distância, que também são responsáveis pela menor parcela das emissões”, de acordo com a carta.

Nesta quinta-feira, foi a vez da Ryanair divulgar a sua posição.“As taxas ambientais não têm qualquer efeito na redução das emissões de CO2 [dióxido de carbono], são regressivas e prejudicam a concorrência. A Ryanair opõe-se a qualquer taxa adicional, uma vez que paga anualmente centenas de milhões de euros (630 milhões de euros no ano fiscal 2020) em impostos ambientais”, diz a companhia, em comunicado, no qual a companhia aérea sugere ao Governo português a rejeição da proposta aprovada pelos deputados.

Para a Ryanair a imposição de novas taxas sobre a aviação será “extremamente prejudicial para Portugal”, classificando como “absurdo” a imposição de “mais barreiras” por parte do Governo à recuperação do setor perante o impacto da pandemia de Covid-19.

A empresa defendeu ainda que o executivo, em vez de “desperdiçar 1,2 mil milhões de euros dos contribuintes portugueses na TAP”, deveria proteger o emprego e os consumidores, trabalhando com “as companhias aéreas que de facto fornecem baixas emissões, tarifas baixas e conectividade para apoiar o emprego no setor do turismo em Portugal”.

 

A proposta do PAN (Partido Pessoas-Animais-Natureza) para a criação de uma taxa de carbono de dois euros a ser cobrada aos passageiros de viagens aéreas, marítimas ou fluviais foi aprovada, na quarta-feira, dia 25 de novembro, no Parlamento, durante a votação na especialidade do Orçamento do Estado para 2021.

A medida prevê que durante o próximo ano seja introduzida uma taxa de carbono sobre o “consumidor de viagens aéreas, marítimas e fluviais”, no valor de dois euros por passageiro, cujas receitas revertem para o Fundo Ambiental.

O PAN propõe que estas receitas sejam aplicadas no financiamento da ferrovia “e na redução de emissões do setor rodoviário, designadamente, na melhoria e aumento de disponibilidade dos transportes coletivos e em métodos de transporte com menores emissões de CO2”.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Air Macau transformada em sociedade anónima com maioria da Air China

A Air Macau procedeu à alteração dos seus estatutos...

Nova loja de atendimento corporativo para clientes da TAAG inaugurada no Talatona (Luanda)

No âmbito da sua estratégia de digitalização e no...

 ‘Portugal Stopover’ da TAP distinguido pelos leitores da ‘Global Traveller’ pela sexta vez

O programa Stopover da TAP Air Portugal foi distinguido...