David Neeleman: “Deixem de usar a minha pessoa e a TAP como arma de arremesso político”

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O ex-acionista da TAP David Neeleman lançou o “repto” ao Governo Português para que o deixe de usar e à transportadora aérea como “arma de arremesso político” e se concentre em recuperar o investimento dos contribuintes na empresa.

Na semana passada, o ministro das Infraestruturas esteve no parlamento, em Lisboa, a ser ouvido sobre o eventual futuro processo de privatização da TAP, audição na qual foram trocadas várias acusações, sobretudo com o PSD, e abordada a anterior gestão privada da companhia.

Nesta segunda-feira, dia 24 de outubro, numa reação escrita em resposta a um pedido da agência portuguesa de notícias ‘Lusa’, o ex-acionista privado da TAP diz não poder deixar de “lançar um repto ao ministro Pedro Nuno Santos e ao atual Governo”: “Por favor, deixem de utilizar a minha pessoa e a TAP como arma de arremesso político e concentrem os vossos esforços em recuperar o enorme investimento que, entretanto, os contribuintes portugueses foram forçados a fazer na companhia”.

O consórcio ‘Atlantic Gateway’ — composto pelos acionistas Neeleman e o empresário português Humberto Pedrosa — venceu a privatização da TAP, levada a cabo pelo Governo do PSD/CDS-PP, operação que foi parcialmente revertida em 2015 com o Governo do Partido Socialista (PS).

“Todo o processo de privatização e a posterior reconfiguração acionista foram amplamente escrutinadas por dois governos de Portugal, Parpública, Tribunal de Contas, Autoridade da Concorrência, Autoridade Nacional de Aviação Civil, entre outras entidades”, sublinha o empresário da aviação.

Na audição no parlamento, o ministro Pedro Nuno Santos evocou, nomeadamente, a privatização levada a cabo pelo Governo do PSD/CDS-PP na qual a TAP foi vendida por 10 milhões de euros a “um acionista que endividou ainda mais a empresa”, disse.

Em resposta ao deputado do PSD Paulo Rios de Oliveira, que referiu uma injeção de 270 milhões de euros feita pelo antigo acionista privado na empresa, o ministro das Infraestruturas disse que a injeção foi de 224 milhões e que o PSD ainda não explicou se “houve efetivamente uma capitalização, ou se houve um endividamento ainda maior”.

Paulo Rios de Oliveira acusou, nomeadamente, o Governo de não ter dito aos contribuintes que os 3.200 milhões de euros injetados na TAP eram “a fundo perdido”.

David Neeleman argumenta, na mesma nota à ‘Lusa’, que quando o consórcio ‘Atlantic Gateway’, detido pelo empresário americano e pelo português Humberto Pedrosa em 50-50, venceu a privatização da TAP no final de 2015, “a empresa estava completamente descapitalizada e em risco de não conseguir pagar salários” e que “nessa altura, pelas regras europeias, o Estado Português estava impedido de colocar mais um euro na TAP”.

Por isso, contesta as declarações de Pedro Nuno Santos: “Ao contrário do que o ministro refere, não é verdade que o Estado Português não tivesse até então financiado a TAP, pois toda a dívida da empresa até a privatização era garantida a 100% pelo Estado e só dessa forma a TAP tinha capacidade de obter financiamento bancário”.

Sobre o endividamento, explica que aquando a entrada do consórcio privado na TAP a dívida “ascendia a cerca de 11x EBITDAR”, sublinhando que, durante os cinco anos na companhia, “a TAP não precisou de um euro do Estado Português e a sua dívida financeira deixou de ser garantida pelo Estado, tendo passado para menos de metade do que representava no período pré-privatização, em 5x o seu EBITDAR”.

“O nosso Plano Estratégico para a TAP era muito claro, transparente e foi apresentado, explicado e aprovado por todos os intervenientes no processo de privatização — Estado incluído —, tanto na fase de negociações e preparação da privatização, como aquando da reorganização acionista levada a cabo pelo novo Governo de então. Todos os objetivos do Plano Estratégico foram cumpridos até ao momento em que uma pandemia global imobilizou o setor da aviação mundial”, afirma ainda o empresário.

Mas antes, diz Neeleman, a TAP “apresentava uma liquidez sólida de cerca de 500 milhões de euros (muito acima dos níveis pré-privatização)”, tendo aumentado em 18% o número de colaboradores, crescido em 54% o número de passageiros ao ano, o volume de negócios cresceu 39%, o número de voos subiu 21%, e adicionou mais 13 destinos novos — “seis deles no ‘supercompetitivo’ mercado dos Estados Unidos”, refere ainda Neeleman.

Neeleman diz lamentar desde a sua saída da TAP que “muitos bons quadros abandonaram a companhia”, que o “alinhamento com os trabalhadores desapareceu” e que, até ao final deste ano, o Estado “terá injetado quase quatro mil milhões de euros” na companhia.

“Nos meus diversos projetos na indústria da aviação, sempre cumpri as minhas obrigações e sempre atuei de forma honesta e transparente. Tive muita pena que o atual Governo tivesse optado pela solução de ‘impor’ a minha saída sob ameaça da nacionalização da TAP. Não é verdade que era a única solução e que cabia aos ‘privados’ capitalizar a companhia, como facilmente se conclui olhando para as congéneres europeias da aviação. Na verdade, não foi assim em nenhuma companhia aérea no mundo. Nenhuma empresa estava preparada para resistir à pandemia”, acrescenta.

Neeleman acrescenta que os acionistas privados das companhias áreas “foram apoiados no contexto da pandemia e estas não foram intervencionadas pelos respetivos Estados. A sua gestão manteve-se sempre privada”, ao contrário do que aconteceu com a TAP.

David Neeleman considera que “a TAP é uma grande empresa que deve ser privada como todas as companhias áreas de bandeira europeias e mundiais”, operação que “merecem os trabalhadores, merecem os seus clientes, merecem as comunidades portuguesas, merece Portugal”.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Governo Português envia avião da TAP com ajuda humanitária para o Rio Grande do Sul

O Governo português vai enviar, na próxima terça-feira, dia...

GOL e AZUL anunciam acordo de ‘codeshare’ que vigorará a partir do final de junho

As companhias aéreas brasileiras GOL e Azul anunciam nesta...

SATA Air Açores transportou doentes do Hospital de Ponta Delgada que estavam na Madeira

A SATA Air Açores realizou nesta quarta-feira, dia 22...