Deliberação sobre demissões na TAP acusa ex-gestores de várias infrações

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A deliberação que suporta a demissão por justa causa dos presidentes do Conselho de Administração (PCA) e da Comissão Executiva (CEO) da TAP acusa ambos de violarem os estatutos da empresa, assim como os deveres de cuidado e lealdade impostos no exercício de funções.

A informação, divulgada na quarta-feira, dia 20 de abril, pelo ‘Jornal Económico’, consta da deliberação disponibilizada na íntegra no mesmo dia pelo jornal ‘Observador’ e que é assinada por três pessoas – duas da ‘Parpública’ e uma da Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), que decidem na qualidade de acionistas da TAP.

Na quinta-feira, dia 21, ouvido na Comissão de Inquérito à TAP, o presidente da ‘Parpública’ confirmou a assinatura desta deliberação conjunta com a Direção-Geral do Tesouro e Finanças sobre a exoneração por justa causa do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, e da diretora executiva, Christine Ourmières Widener, para a qual não houve um parecer jurídico específico, tal como confirmou, também na quinta-feira, o ministro das Finanças, Fernando Medina, numa audição parlamentar.

Segundo a deliberação Manuel Beja terá violado as normas legais e estatutárias por ter subscrito o acordo de rescisão da gestora Alexandra Reis sem ter convocado uma Assembleia Geral (AG) para o efeito ou sequer ter reportado ao Ministério das Finanças.

Já a diretora executiva Christine Ourmières Widener terá violado as normas por ter iniciado, por sua iniciativa, e conduzido o processo que culminou no acordo de saída de Alexandra Reis, tendo-o subscrito, igualmente sem ter solicitado a convocação de uma AG ou sequer ter reportado ao Ministério das Finanças.

A deliberação considera que nem a ‘luz verde’ do ministro Pedro Nuno Santos ao valor a pagar a Alexandra Reis nem os conselhos dos advogados ilibam os dois gestores.

“A imputabilidade individual destas condutas ao PCA e à CEO não é excluída pela circunstância de as negociações tendentes à celebração do Acordo serem do conhecimento e a definição do montante compensatório dele decorrente terem contado com a aprovação do então Secretário de Estado das Infraestruturas e do então Ministro das Infraestruturas e da Habitação”, refere o documento.

Considera ainda que, desse conhecimento e dessa aprovação, “resultou apenas a anuência quanto ao valor a final convencionado, não existindo evidência do conhecimento daqueles então membros do Governo sobre o teor, em concreto, do clausulado do acordo”, acrescentado: “a sua intervenção foi sempre baseada na informação que lhes foi prestada pela CEO”.

Diz também que a “imputabilidade individual” a Manuel Beja e a Christine Ourmières Widener não é excluída pelo facto de as negociações do acordo terem sido intermediadas por consultores jurídicos mandatados pela CEO para o efeito, frisando: “a imperatividade e a centralidade das normas legais e estatutárias violadas tornam o seu conhecimento objetivamente necessário, quer para o PCA quer para a CEO, à luz do exigente padrão dos deveres de cuidado legalmente impostos aos gestores públicos”.

As condutas de Manuel Beja e Christine Ourmières Widener, segundo o documento, revelaram igualmente desconhecimento, ou, pelo menos, uma continuada omissão quanto ao cumprimento dos deveres de informação e reporte sobre matérias centrais ao funcionamento da TAP, SGPS, S.A., circunstância que conduz à quebra das relações de integridade, lealdade, cooperação, confiança e transparência com o acionista.

Adianta que a violação dos deveres dos gestores verificou-se por ação e omissão: por ação, “por via da outorga” do acordo com Alexandra Reis, por omissão, “por força da não comunicação, em nenhum momento, da negociação e outorga do acordo ao membro do Governo responsável pela área das finanças ou aos seus representantes no exercício da função acionista”.

“A violação daquelas normas legais e estatutárias assume inequívoca gravidade, tornando inexigível a manutenção do PCA e da CEO nos respetivos cargos”, refere.

Esta deliberação, que faz referência ao relatório da Inspeção Geral de Finanças (IGF) sobre a demissão de Alexandre Reis conhecida no início de março, foi assinada a 12 de abril.

O anúncio da demissão da CEO e PCA da TAP foi feito pelo ministro das Finanças no início de março, com base no relatório da IGF.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

TAP Air Portugal retomou rota direta entre a Venezuela e a ilha da Madeira

– Cerimónia oficial e decoração a preceito na zona...

TAP Air Portugal terá 95 voos semanais para o Brasil no mês de julho

Uma delegação da TAP Air Portugal, liderada pelo seu...

Teste de táxi aéreo elétrico pode definir novo tipo de transporte para peregrinos do Hajj, na Arábia Saudita

Num movimento histórico, a Arábia Saudita conduziu com sucesso...