Easyjet disposta a melhorar condições dos trabalhadores mas pede “bom senso”

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O diretor-geral da Easyjet em Portugal, José Lopes (na imagem de abertura), assume que a empresa está empenhada em “melhorar as condições” dos seus trabalhadores em Portugal, mas pede “bom senso” para garantir a sustentabilidade da operação.

“Estamos empenhados em melhorar as condições de todos os nossos colaboradores em Portugal, mas temos de continuar a usar o bom senso para que este projeto possa continuar e compreendemos que existe quem não queira que isto aconteça, quem exige que não continue e que não cresça”, disse José Lopes na Comissão Trabalho, Segurança Social e Inclusão, na Assembleia da República, em Lisboa.

De acordo com o diretor da Easyjet para Portugal, a empresa afasta o que disse terem sido as propostas apresentadas pelos sindicatos, com aumentos iguais ou superiores a 60%.

Na mesma comissão, numa audição realizada mais cedo, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinalou que os trabalhadores da Easyjet em Portugal recebem cerca de menos 60%, em média, que os restantes trabalhadores da empresa na Europa (LINK notícia relacionada).

Perante estas declarações, José Lopes disse que a empresa já apresentou “quatro propostas diferentes”, contra duas do sindicato, e que uma delas consagra oscilações em várias modalidades entre os 18% e os 40%.

“Continuam nestes valores que são completamente irrealistas e que põem em causa o futuro da nossa empresa em Portugal”, detalhou o diretor da Easyjet para Portugal, que remeteu para as declarações do sindicato na audição anterior.

“Ainda há pouco, na audição anterior, ouvi dizer que o SNPVAC não quer aumentos de 60%, quer aumentos relacionados com o aumento do custo de vida, então assinamos já o contrato”, garantiu José Lopes.

De acordo com o gestor, do lado da Easyjet “essa abertura existe”, e remeteu para o Acordo de Empresa, que tem “uma proposta de mais 8% no primeiro ano e na ordem dos 20% a três anos, bem acima daquilo que é a inflação”.

“Nós queremos continuar a melhorar as condições das pessoas que trabalham connosco, se não o fizéssemos não conseguíamos crescer mais do dobro desde a pandemia para cá”, garantiu o responsável da empresa.

Uma destas propostas contempla, segundo o responsável, aumentos entre os 18% e os 30% no caso dos contratos a tempo completo e entre os 29% e os 40% nos casos dos contratos a tempo parcial, a três anos.

José Lopes, na sua intervenção, perante a comissão parlamentar, referiu que a EasyJet tinha em 2012 cerca de 100 empregados em Portugal e que no momento presente dá emprego direto a 850 pessoas. Desmentiu diversas situações anómalas focadas antes pelos dirigentes sindicais. Sobre o rendimento salarial confirmou que a companhia paga a todos de acordo com a legislação em vigor e os compromissos assinados entre as partes e focou que a companhia em outubro passado entregou a cada colaborados um prémio de 1.200 euros ilíquidos, além de bónus de desempenho e um crédito de 1.200 libras esterlinas para viagens, além de outras facilidades em viagens, em vigor na empresa.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Voos da Korean Air entre Seul e Lisboa favorecem tráfego de passageiros de e para Macau

O lançamento da nova rota da companhia sul-coreana Korean...

Atlântica e ANAC desenvolvem parceria que visa integrar alunos no setor da aviação

Instituições querem formar profissionais na área da aviação, com...

Frota da SATA Air Açores está recuperada e a operação reposta, confirma o Governo Regional

O Governo Regional dos Açores garantiu nesta terça-feira, dia...