ICAO aponta para queda de 60% no transporte aéreo mundial em 2020

A ICAO, agência das Nações Unidas para a Aviação Civil, confirmou que o tráfego internacional de passageiros sofreu uma queda dramática de 60 por cento ao longo de 2020, recuando o total das viagens aéreas de volta aos níveis de 2003.

A agência, conhecida em português pela designação de Organização Internacional da Aviação Civil, informa que, como a capacidade de lugares caiu 50% no ano passado, os totais de passageiros caíram 60%, com apenas 1,8 mil milhões de passageiros transportados durante o primeiro ano da pandemia, em comparação com 4,5 mil milhões em 2019.

Os números apurados apontam também para perdas financeiras das companhias aéreas de 370 mil milhões de dólares resultantes do impacto da pandemia de covid-19, tendo os aeroportos e prestadores de serviços de navegação aérea (ANSP) perdido mais 115 mil milhões e 13 mil milhões, respectivamente.

A queda na procura de viagens aéreas começou em janeiro de 2020, mas foi limitado a apenas alguns países. No entanto, à medida que o vírus continuou a sua propagação global, as atividades de transporte aéreo chegaram a um impasse virtual no final de março.

Com as medidas de bloqueio em larga escala, o encerramento de fronteiras e as restrições de viagem a serem estabelecidas em todo o mundo, em abril o número global de passageiros tinha caído 92% dos níveis de 2019, uma média da queda de 98% verificada no tráfego internacional e uma queda de 87% nas viagens aéreas domésticas.

Após ter sido atingido o ponto baixo de abril, o tráfego de passageiros registou uma recuperação moderada durante o período de viagens de Verão.

Esta tendência ascendente foi, no entanto, de curta duração, tendo-se registado uma paragem e depois um agravamento em Setembro, quando a segunda vaga de infecção em muitas regiões provocou a reintrodução de medidas restritivas.

A recuperação sectorial tornou-se novamente mais vulnerável e volátil durante os últimos quatro meses de 2020, indicando uma recessão global de queda dupla para todo o ano.

 

Disparidade entre as recuperações domésticas e internacionais

A ICAO também constata que tem havido uma disparidade persistente entre os impactos das viagens aéreas nacionais e internacionais resultantes das medidas internacionais mais rigorosas em vigor.

As viagens domésticas demonstraram uma maior resiliência e dominaram cenários de recuperação do tráfego, particularmente na China e na Federação Russa, onde o número de passageiros domésticos já regressou aos níveis pré-pandémicos.

Globalmente, registou-se uma queda de 50% no tráfego doméstico de passageiros a nível mundial, enquanto que o tráfego internacional diminuiu em 74% ou seja 1,4 mil milhões de passageiros a menos.

Em finais de maio de 2020, segundo o relatório da ICAO, as regiões da Ásia/Pacífico e da América do Norte lideraram a recuperação global dos totais de passageiros, em grande parte devido aos seus significativos mercados internos. A Europa registou uma recuperação temporária, mas com uma tendência dramática para a baixa desde setembro. O tráfego da América Latina e das Caraíbas registou melhorias no quarto trimestre, enquanto as recuperações em África e no Médio Oriente se processaram de forma menos robusta.

 

Angústia financeira e perspectivas sombrias para o futuro

Os fluxos de receitas paralisados resultantes do mergulho no tráfego aéreo levaram a graves tensões de liquidez ao longo da cadeia de valor da aviação, colocando a viabilidade financeira da indústria em questão e ameaçando milhões de empregos em todo o mundo.

Os impactos em cascata também têm sido severos nos mercados de turismo a nível mundial, dado que mais de 50% dos turistas internacionais utilizavam anteriormente as viagens aéreas para chegar aos seus destinos.

A queda global de 370 mil milhões de dólares nas receitas brutas de exploração de passageiros aéreos representou perdas de 120 mil milhões na Ásia/Pacífico, 100 mil milhões na Europa, e 88 mil milhões na América do Norte, seguidos de 26 mil milhões, 22 mil milhões e 14 mil milhões na América Latina e Caraíbas, no Médio Oriente e em África, respectivamente.

A ICAO indicou que as perspectivas a curto prazo são de uma procura deprimida prolongada, com os riscos de diminuição da recuperação global das viagens aéreas predominando no primeiro trimestre de 2021, e susceptíveis de serem sujeitos a uma maior deterioração.

Uma eventual melhoria do quadro global só se verificará no segundo trimestre de 2021, embora ainda esteja sujeito à eficácia da gestão da pandemia e ao lançamento da vacinação.

No cenário mais optimista, até junho de 2021, o número de passageiros deverá recuperar para 71% dos seus níveis de 2019 (53% para o internacional e 84% para o nacional). Um cenário mais pessimista prevê apenas uma recuperação de 49 por cento (26 por cento para o internacional e 66 por cento para o doméstico).

A ICAO continua a fornecer recomendações e apoio ao sector da aviação para ultrapassar a crise. As suas novas Orientações sobre Medidas Económicas e Financeiras resumem uma série de medidas que podem ser exploradas pelos Estados e pela indústria para aliviar a iminente liquidez e tensão financeira, e para reforçar a resiliência da indústria a crises futuras.

 

  • Foto © London Heathrow Airport

 

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica