KLM confirma que irá cortar 5.000 postos de trabalho até 2021

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A KLM confirmou nesta sexta-feira, dia 31 de julho, que tenciona cortar até 5.000 postos de trabalho até 2021 para “se adaptar à nova realidade” deixada pela crise “sem precedentes” em que foi mergulhada pela pandemia.

Num comunicado distribuído neste fim-de-semana, a empresa aérea dos Países Baixos explica que a redução do pessoal será feita de diferentes formas, incluindo a não renovação de contratos temporários (1.500 postos de trabalho) e um esquema que promove a saída voluntária da empresa (que espera cerca de 2.000 empregados), além de 500 aposentações que não serão substituídas.

O despedimento direto ameaça os empregos de aproximadamente 1.500 trabalhadores, incluindo 500 empregos entre o pessoal de terra, 300 entre o pessoal de cabina, 300 pilotos e cerca de 500 empregos na subsidiária holandesa do grupo Air France-KLM.

“A KLM encontra-se numa crise de magnitude sem precedentes. Desde o início da covid-19, já foram tomadas numerosas medidas para lidar com a situação atual. A perspetiva é que o caminho para a recuperação será longo e cheio de incertezas. Isto significa que a estrutura e tamanho da KLM terão de ser radicalmente alterados nos próximos anos”, explica a transportadora no comunicado.

 

A KLM sublinha que a perspetiva da aviação é “incerta”, porque vários países estão a reintroduzir as restrições de viagem, fazendo com que os “clientes tenham relutância em reservar” voos.

Isto amplia a previsão de recuperação inclusivamente até 2024, o que dependerá do “desenvolvimento do vírus, da recuperação da economia e do comportamento dos clientes”.

A companhia aérea reconhece que o pacote de ajuda de 3,4 mil milhões de euros do Governo holandês, sob a forma de empréstimos diretos e garantias de empréstimos bancários, permitirá à empresa enfrentar a crise durante “o próximo período”.

Mas para “garantir a sobrevivência a longo prazo” da KLM, a empresa assegura que “deve adaptar-se à nova realidade”, o que significa reduzir a mão-de-obra total dos atuais 33.000 trabalhadores para cerca de 28.000.

A KLM não exclui a possibilidade de reduzir ainda mais a sua mão-de-obra se o nível de produção até 2021/2022 for ainda inferior às expectativas atuais, ou seja, se for reduzido em mais de 20%, como esperado.

A companhia aérea já anunciou que as perdas previstas para o segundo semestre do ano aumentaram para 493 milhões de euros, uma vez que as vendas caíram 75%, e assinala que ainda tem de pagar aos clientes 1,6 mil milhões de euros por viagens aéreas canceladas.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...