Sindicato dos Pilotos contesta critérios dos atuais gestores da TAP

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) manifesta-se preocupado “pelo facto de voos para destinos que historicamente sempre foram operados pela TAP com taxas de ocupação elevadas e com várias frequências diárias, não estarem a ser rentabilizados devidamente, apesar de haver procura, numa altura em que a TAP está necessitada de mercado para recuperar da crise”.

Num comunicado distribuído nesta segunda-feira, dia 28 de dezembro, em Lisboa, o sindicato dos pilotos portugueses refere que “assiste-se incompreensivelmente, neste momento, ao abandono destes voos por parte da TAP com a consequente perda de receitas, aproveitamento de aeronaves e tripulações que se encontram imobilizadas, sobretudo agora que a empresa já não se encontra ao abrigo do lay-off”.

O SPAC lamenta não encontrar “justificação para esta política comercial uma vez que existe neste momento mercado de passageiros interessados nestes voos”, sendo “notório que as outras companhias têm aproveitado a ausência e abandono da TAP no que respeita a voos que registam taxas de ocupação elevadas e com várias frequências diárias chegando estas por vezes ao número de quatro frequências diárias”.

Os pilotos citam os casos da KLM, Lufthansa, Swiss e EasyJet, companhias que “estão a operar, por exemplo, a partir da cidade do Porto com aeronaves de elevada capacidade, tendo por vezes recorrido a aviões de longo curso para satisfazer a procura crescente por parte de passageiros”.

A atual política comercial da TAP está a induzir os passageiros frequentes da companhia em erro e resulta num “prejuízo evidente para os seus acionistas e para todo o povo português”, considera o SPAC.

O sindicato refere exemplos no comunicado, apontando que a SWISS no passado dia 19 de dezembro aterrou no Porto, no norte de Portugal, com dois aviões grandes, um B777 (334 passageiros) e um A340-300 (308 passageiros). Esta companhia, de bandeira suíça, e a EasyJet, de matriz britânica, mas que também opera com um Certificado de Operador Aéreo (COA) suíço, realizaram um total de 12 voos provenientes de Genebra e de Zurique, diz o SPAC.

Nesse dia a “TAP não realizou um único voo entre o Porto e Zurique, não obstante a elevada procura evidenciada, mantendo em terra os seus aviões, assim como os seus pilotos e demais tripulantes”.

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil afirma que “não compreende estes critérios de gestão da empresa TAP”.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...