SINTAC garante que recurso a trabalhadores sem experiência ameaça segurança

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O recurso a trabalhadores com “experiência quase nula” durante a greve da Portway poderá colocar em causa a segurança de voo, alertou nesta terça-feira, dia 16 de agosto, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), no pedido de audiência aos grupos parlamentares.

Os trabalhadores da Portway dos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Madeira anunciaram uma greve, convocada pelo SINTAC, para os dias 26, 27 e 28 de agosto.

“Importa reiterar que esta greve poderá criar inúmeros constrangimentos ao funcionamento dos aeroportos e – pelas notícias que nos vão chegando – colocar em causa a segurança operacional”, indicou o SINTAC no pedido de audiência aos grupos parlamentares, a que a agência de notícias ‘Lusa’ teve acesso.

A estrutura sindical referiu ter conhecimento de que podem ser chamados colaboradores de empresas de trabalho temporário, “com experiência quase nula, que poderão vir a colocar em causa a segurança de voo”.

Soma-se ainda uma possível utilização de trabalhadores a executar tarefas que não correspondem à sua categoria profissional, “o que a verificar-se constituirá não só uma violação do direito à greve, como mesmo um crime”.

O sindicato enviou nesta terça-feira um pedido de audiência aos grupos parlamentares para apresentar os motivos que levaram à convocação da greve, lamentando os “tempos conturbados” vividos no setor aeroportuário e de aviação.

“Vive-se na empresa um momento laboral de conflito latente, atendendo a várias atitudes da empresa, sem precedentes, na Portway/VINCI, que incluem um ambiente de profundo descontentamento e intimidação dos trabalhadores, designadamente, com o bloquear das progressões de carreira através de avaliações arbitrárias impostas aos trabalhadores, bem como a ausência de aumentos salariais há mais de cinco anos”, lê-se no documento.

Na sexta-feira, o SINTAC e a Portway, que estiveram reunidos com a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), não chegaram a acordo quanto à definição dos serviços mínimos para a greve.

O pré-aviso prevê a paralisação geral dos trabalhadores da empresa de assistência em terra, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Madeira, com início às 00h00 do dia 26 de agosto e fim às 24h00 de 28 de agosto.

O SINTAC acusa ainda a empresa de promover um “clima de terror psicológico, onde proliferam ameaças e instauração de processos disciplinares, criando uma instabilidade social sem ímpar na história da empresa”.

Assim, os trabalhadores reivindicam o cumprimento do Acordo de Empresa de 2016 e uma avaliação de desempenho que não sirva para evitar progressões.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

TAP Air Portugal retomou rota direta entre a Venezuela e a ilha da Madeira

– Cerimónia oficial e decoração a preceito na zona...

TAP Air Portugal terá 95 voos semanais para o Brasil no mês de julho

Uma delegação da TAP Air Portugal, liderada pelo seu...

Teste de táxi aéreo elétrico pode definir novo tipo de transporte para peregrinos do Hajj, na Arábia Saudita

Num movimento histórico, a Arábia Saudita conduziu com sucesso...