TAP pede aos chefes de cabina para assumirem funções menos qualificadas

A TAP pediu aos chefes de cabina que ocupem, de forma voluntária, funções menos graduadas, de comissários de bordo, para fazer face aos problemas gerados pela covid-19, que colocou muitos profissionais em isolamento, segundo um documento interno.

Na mensagem enviada nesta segunda-feira, dia 3 de janeiro, a que a agência de notícias ‘Lusa’ teve acesso, assinada pela diretora de tripulantes da cabina, Mónica Chaby, a TAP apela para que os profissionais se possam voluntariar para funções que não ocupam normalmente.

“Em resposta à crescente falta de tripulantes resultante do súbito agravamento da situação pandémica, decidiu a administração da empresa, como derradeira medida para evitar o cancelamento de voos e os danos financeiros e de imagem deles decorrentes, apelar à contribuição de todos os tripulantes devidamente qualificados para colmatar as lacunas que se verificam na operação”, lê-se no documento.

“Nesse sentido, têm sido realizados pelo SOE [Serviço de Operações e Escalas] convites a tripulantes CCB [chefes de cabina] para operarem na função de CAB [comissários/assistentes de bordo] em voos para os quais não foi possível completar a tripulação pelos processos normais, sendo este tipo de convite utilizado apenas como último recurso depois de esgotadas todas as alternativas de solução no dia da operação, e de forma a evitar o cancelamento iminente do voo”, informou a companhia.

A TAP ressalvou que “esta solicitação não pretende constituir qualquer tipo de pressão, sendo simplesmente um pedido extraordinário de ajuda para ultrapassar a imprevisibilidade e complexidade que a atual situação representa para a gestão das tripulações, em consequência do elevado número de tripulantes em isolamento, e dos muitos voos em risco de cancelar”.

 

Baixas por covid-19 teve pico diário de 80 ocorrências na Passagem de Ano cancelando 24 voos

A companhia indicou depois que “diariamente tem havido um elevado número de baixas, tendo-se atingido um pico diário de cerca de 80 ocorrências, e, só entre os dias 31 de dezembro e 1 de janeiro foram efetuados 24 cancelamentos”.

Na mensagem, a diretora de tripulantes reconheceu que “este convite extravasa claramente os princípios estabelecidos em AE [acordo de empresa]”, deixando “inteiramente ao critério individual, e em total liberdade, o sentido da resposta ao mesmo”.

“Apelamos à vossa compreensão para a excecionalidade da atual conjuntura e esperamos poder ultrapassar rapidamente esta situação disruptiva e restabelecer a normalidade da operação”, rematou.

Em novembro, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) criticou a gestão de operações da TAP e avançou com uma queixa à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), segundo uma mensagem aos associados, devido a um donwngrade de alguns profissionais.

Na comunicação, a que a ‘Lusa’ teve acesso, a estrutura sindical criticava a forma como a transportadora tinha realizado o planeamento das semanas seguintes, que incluíam datas festivas, tendo a empresa decidido efetuar o downgrade de 40 chefes de cabina de médio curso e de 20 chefes de cabina de longo curso.

“Este ato unilateral da empresa demonstra, uma vez mais, que ao contrário do que afirma a administração e publicita em vários órgãos de comunicação, a ‘gestão da operação’ não está ajustada à realidade atual e ao número de tripulantes necessário”, referiu, nessa altura o SNPVAC.

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica