Tráfego aéreo europeu recuperou no ano passado para 83% do nível de 2019

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O tráfego aéreo na Europa em 2022 atingiu 83% do nível que tinha em 2019, antes da crise pandémica, uma recuperação “sólida” impulsionada pelas companhias de baixo preço e pelos destinos do sul da Europa, anunciou nesta segunda-feira, dia 2 de janeiro, o Eurocontrol.

O organismo de vigilância do tráfego aéreo adiou por mais um ano, para 2025, a sua previsão de regresso aos números registados antes da pandemia de covid-19, apontando a fragilidade da recuperação económica, a inflação e o risco de continuação da guerra que começou com a invasão russa da Ucrânia.

No ano passado, as companhias aéreas e os aeroportos europeus acolheram cerca de 2.000 milhões de passageiros, contra 2.420 milhões em 2019, com “fortes disparidades” segundo os países e as transportadoras. Estes números incluem todas as partidas e chegadas em solo europeu.

Em 2022, Portugal atingiu 96% do tráfego que tinha antes da crise, a Alemanha registou 75%, a França 86%, a Espanha 91%, enquanto a Grécia atingiu 101% do volume registado três anos antes e a Albânia 137%.

Em relação às companhias, as low cost saíram reforçadas da crise, regressando a 85% do movimento de 2019, contra 76% das transportadoras ‘clássicas’.

A Ryanair consolidou o seu primeiro lugar na Europa ao realizar no ano passado 109% dos voos que tinha três anos antes, tal como a Volotea. Os voos da Air France representaram 80% do nível de 2019, os da Lufthansa 72% e os da British Airways 71%, de acordo com o Eurocontrol.

“Em 2022, a aviação europeia resistiu à tempestade”, resumiu o organismo.

Após a variante Ómicron da covid-19 no início do ano e depois a invasão da Ucrânia, “o tráfego ainda recuperou para 86% (dos níveis de 2019) em maio e manteve-se até ao final do ano num intervalo entre 86% e 88%”, indicou.

O Eurocontrol prevê que os voos anuais na área da sua competência cheguem este ano a 92% dos de 2019, mas antevê um ano “difícil”, sendo o principal desafio limitar os atrasos, um flagelo que afetou muitos viajantes, em particular no início do verão de 2022.

Como consequência da falta de pessoal nos aeroportos, o número de chegadas e partidas pontuais atingiu 72% e 66% dos totais, o que representa menos seis ou sete pontos percentuais em relação a 2019.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Contrato com a Binter para as ligações interilhas na Madeira prorrogado até setembro

A companhia aérea espanhola Binter vai assegurar por mais...

EuroAtlantic anuncia mudanças na equipa de gestão e nova injeção de capital do acionista

A companhia aérea portuguesa ‘Euro Atlantic Airways – Transportes...

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...