Administração da SPdH/Groundforce pretende anular contrato com a TAP

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Conselho de Administração da empresa Serviços Portugueses de Handling (SPdH), conhecida pela marca Groundforce Portugal Groundforce reúne-se nesta quarta-feira, dia 28 de abril, ao fim da tarde, em Lisboa, para votar a anulação do contrato com a TAP, que permitiu encaixar cerca de sete milhões de euros com a venda de ativos da empresa.

Segundo fonte oficial do acionista maioritário da Groundforce, Alfredo Casimiro, o Conselho Fiscal da empresa de assistência em aeroportos (handling) e a auditora Deloitte recomendaram a anulação do acordo, alegando que o mesmo, conforme está estruturado, inviabiliza a operação da empresa.

Esta questão vai ser apresentada e votada na reunião do Conselho de Administração da Groundforce, composto por três administradores nomeados pela Pasogal, de Alfredo Casimiro, e dois pela TAP (acionista minoritário).

Se o acordo for anulado, a empresa de handling terá de devolver os cerca de sete milhões de euros à TAP, acionista minoritário da empresa com 49,9% do seu capital social e também seu principal cliente.

Não dispondo de capacidade financeira para devolver aquele valor, a mesma fonte explicou à agência de notícias ‘Lusa’ que deverá ser discutido com a transportadora aérea um plano de pagamentos para o seu reembolso.

Contactado o Ministério das Infraestruturas disse que não ia comentar.

Com o acordo, alcançado em 19 de março, a TAP comprou os equipamentos da Groundforce Portugal por cerca de sete milhões de euros, uma solução de curto prazo, que permitiu resolver os problemas mais urgentes da empresa, como pagar os salários de fevereiro e março em atraso aos 2.400 trabalhadores, enquanto não existe uma solução para as restantes verbas de que necessita, para fazer face aos prejuízos causados pela pandemia.

O acordo prevê também que a Groundforce pague 461.762 euros mensais à TAP pelo aluguer dos equipamentos que necessita para a operação e que a companhia lhe comprou.

Esse acordo foi alcançado com os votos favoráveis dos dois administradores da Groundforce nomeados pela TAP, a que se juntou o presidente executivo da empresa de handling, Paulo Neto Leite, que entretanto, em 5 de abril, foi destituído do cargo de CEO e substituído no cargo por Alfredo Casimiro, mas que se manteve como administrador não executivo.

Por seu lado, o presidente da Pasogal, Alfredo Casimiro, absteve-se e o outro administrador nomeado pela Pasogal, Gonçalo Carvalho, votou contra o acordo para desbloquear provisoriamente o impasse na empresa.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português e que é acionista minoritário e principal cliente da empresa que presta assistência nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Porto Santo.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Air Macau transformada em sociedade anónima com maioria da Air China

A Air Macau procedeu à alteração dos seus estatutos...

Governo Regional dos Açores alerta para eventual aumento da tarifa especial para residentes

A secretária do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas do Governo...

Nova loja de atendimento corporativo para clientes da TAAG inaugurada no Talatona (Luanda)

No âmbito da sua estratégia de digitalização e no...