Aeródromo de Mocímboa da Praia, no norte de Moçambique, foi reabilitado e já reabriu

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, afirmou nesta segunda-feira, dia 9 de outubro, que a reabertura do porto e do aeródromo da vila distrito de Mocímboa da Praia, afetados durante os ataques terroristas, representa o “restabelecimento progressivo da normalidade” em Cabo Delgado.

“Dois atos carregados de significado histórico no processo de retoma da economia e da promoção do desenvolvimento nacional”, afirmou o Chefe de Estado moçambicano durante a visita que fez à província de Cabo Delgado, no norte do País, para inaugurar as referidas obras de reabilitação de infraestruturas.

“Este é um sinal inequívoco no restabelecimento progressivo da normalidade e, no caso concreto, com um impulso sobre a mobilidade de pessoas e bens que favorece a atividade económica de diversos setores”, sublinhou Filipe Nyusi.

Na noite de 4 de agosto 2020, os grupos armados que têm protagonizado ataques em Cabo Delgado desde 2017 invadiram Mocímboa da Praia, tomando as infraestruturas do aeródromo e do porto, tendo os confrontos com as Forças de Defesa e Segurança deixado um número desconhecido de mortos, incluindo elementos da força marítima, além de várias infraestruturas destruídas.

As obras de reabilitação das infraestruturas começaram após a estabilização da situação de segurança, com chegada das forças estrangeiras em julho de 2021, nomeadamente do Ruanda e a da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Para o porto de Mocímboa da Praia, pelo menos 7 milhões de dólares (6,6 milhões de euros) foram investidos no novo cais de atracação e na conclusão do sistema de sinalização do canal, mas a reabilitação, que vai continuar, tem orçamento total de 30 milhões de dólares (28,4 milhões de euros), avançou à agência portuguesa de notícias ‘Lusa’ o administrador da infraestrutura, Helénio Turzão.

As obras de reabilitação do aeródromo estão orçadas em cerca 15 milhões de meticais (222,1 mil euros), segundo dados da administração dos Aeroportos de Moçambique.

Após meses nas “mãos” de rebeldes, Mocímboa da Praia foi saqueada e quase todas as infraestruturas públicas e privadas foram destruídas, bem como os sistemas de energia, água, comunicações e hospitais.

No total, cerca de 62 mil pessoas, quase a totalidade da população, abandonaram a vila costeira devido ao conflito que começou há seis anos, com destaque para as fugas em massa que ocorreram após a intensificação das ações insurgentes em junho de 2020.

A província de Cabo Delgado enfrenta há seis anos a insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

No terreno combatem o terrorismo – em ataques que se verificam desde outubro de 2017 e que condicionam o avanço de projetos de produção de gás natural na região – as Forças Armadas de Defesa de Moçambique, desde julho de 2021 com apoio do Ruanda e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC).

O conflito no norte de Moçambique já fez um milhão de deslocados, de acordo com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, enquanto o Presidente moçambicano admitiu recentemente “mais de 2.000” vítimas mortais.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

KC-390 da FAP ganha prémio mais importante em festival internacional no Reino Unido

Um avião KC-390 Força Aérea Portuguesa (FAP) foi distinguido...

Pilotos da TACV marcam greve de uma semana partir de 24 de julho

Os pilotos da TACV – Transportes Aéreos de Cabo...

Governo reuniu-se com a ANA para preparar o projeto do Novo Aeroporto de Lisboa/Luís de Camões

O ministro das Infraestruturas e Habitação e o secretário...