Aviação foi responsável pela emissão de 7,1% dos gases CO2 em Portugal

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A aviação em Portugal foi responsável por 7,1% do total das emissões de gases com efeitos de estufa do país, em 2018, revelou a associação ambientalista ‘Zero’, com base numa ferramenta que mapeia o impacto climático de 1.300 aeroportos.

“Os voos associados aos principais aeroportos portugueses, considerados apenas num sentido (e não ida e volta), resultaram em 4,75 milhões de toneladas de emissões de gases com efeito de estufa em 2018,”, indicou a ‘Zero’, com base em dados do ‘Airport Tracker’, uma ferramenta lançada pela Federação Europeia de Transportes e Ambiente, da qual a associação ambientalista ‘Zero’ faz parte.

O Aeroporto de Lisboa é, de acordo com a mesma fonte, o principal responsável por emissões associadas aos voos de partida, com 3,03 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa (64% do total de emissões), seguindo-se o do Porto, com 9,77 milhões, e o de Faro (0,57).

A informação disponibilizada por esta ferramenta online que cobre 99% dos voos de passageiros revela que apenas 20 aeroportos foram responsáveis por 27% das emissões de CO2 do transporte aéreo de passageiros.

A análise feita pela ‘Zero’ mostra ainda que 44 aeroportos criaram cada um mais CO2 ao longo de um ano do que uma central térmica a carvão.

“O ‘Airport Tracker’ permite visualizar as profundas desigualdades socio-económicas da aviação: os aeroportos acima estão predominantemente localizados na Ásia-Pacífico, América do Norte e Europa, sendo que os voos de passageiros de apenas 20 cidades criaram emissões de CO2 equivalentes a uma economia de médio porte, como a de Espanha”, exemplifica a associação num documento divulgado nesta terça-feira, dia 28 de setembro.

Os voos de passageiros que partem de Londres/Heathrow, Paris/Charles de Gaulle, Frankfurt, Amesterdão/Schiphol e Madrid/Barajas emitem 53 milhões de toneladas de CO2, segundo a mesma fonte.

Dos 346 aeroportos europeus analisados, 10 são responsáveis por 42% das emissões de CO2 de passageiros da região e quatro desses 10 estão em apenas dois países: Reino Unido e Alemanha.

“Todas estas emissões estão isentas de imposto sobre combustível, das quais menos de 15% são cobradas nos esquemas de comércio de licenças de emissões da União Europeia e do Reino Unido. Estes esquemas incluem apenas voos domésticos e na UE, o que significa que os voos que saem da Europa não estão incluídos”, sublinha a associação.

Na leitura da ‘Zero’, os ganhos de eficiência obtidos pela aviação foram superados pelo crescimento do tráfego.

“No futuro, aeronaves elétricas a bateria podem ser adequadas para voos mais curtos e aeronaves movidas a hidrogénio são mais promissoras para viagens de longo curso. No entanto, uma vez que mesmo os principais fabricantes acreditam que os motores a jato tradicionais dominarão até 2050, essas tecnologias provavelmente não chegarão a tempo de limitar o impacto climático do setor para cumprir as metas globais de descarbonização”, adverte.

“Para a ‘Zero’ é fundamental considerar-se o total das emissões associadas ao total dos voos nos objetivos de neutralidade climática e não incluir apenas os voos domésticos e as emissões associadas às aterragens e descolagens”, lê-se no comunicado emitido pela associação ambientalista portuguesa.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

TAP Air Portugal retomou rota direta entre a Venezuela e a ilha da Madeira

– Cerimónia oficial e decoração a preceito na zona...

TAP Air Portugal terá 95 voos semanais para o Brasil no mês de julho

Uma delegação da TAP Air Portugal, liderada pelo seu...

Teste de táxi aéreo elétrico pode definir novo tipo de transporte para peregrinos do Hajj, na Arábia Saudita

Num movimento histórico, a Arábia Saudita conduziu com sucesso...

Instituto Superior de Aeronáutica e Turismo de Cabo Verde instalado na ilha do Sal

A Universidade Técnica do Atlântico (UTA) apresentou publicamente na...