Bem-vindo, !|Sair

Força Aérea Francesa opera com o Embraer EMB-121 Xingu há trinta anos

A Embraer Defesa & Segurança comemora a marca histórica, neste mês, de 30 anos de operações do EMB-121A Xingu na Força Aérea Francesa (Armée de l’Air) e na Marinha Francesa (Marine Nationale). O Xingu, operado pela École de l’Aviation de Transport (EAT) francesa, a partir da Base Aérea 702 em Avord, França, foi utilizado até o presente momento para treinar mais de 1.900 cadetes franceses, bem como pilotos dos países: Bélgica, Burkina Fasso, Camarões, Gabão, Luxemburgo e Madagascar.

O EMB-121 Xingu pousou pela primeira vez na Base Aérea 702 no dia 29 de Março de 1983 como aeronave de treino para substituir o Dassault 312 Flamant. Em 1984, a primeira equipa de pilotos recém-qualificados concluiu o treino. Desde então, mais de 330 mil horas de voo foram acumuladas pelos 43 Xingus da EAT e, hoje, um total de 33 aeronaves continuam em operação.

“Temos muito orgulho em estar juntos com a Força Aérea Francesa na comemoração desse marco de 30 anos de operações com o Xingu. É também uma conquista histórica para a Embraer”, disse Jackson Schneider, presidente & CEO, Embraer Defesa & Segurança. “Apoiar, durante mais de 30 anos, uma frota que é operada por uma força aérea como a da França demonstra o rigor da empresa em atender às necessidades operacionais e reflete o compromisso da Embraer em construir fortes relacionamentos com seus clientes no suporte da aeronave em todo o seu ciclo de vida”.

 

Programa de modernização amplia vida do Xingu até 2025

Em 2012, a Força Aérea Francesa lançou um programa de modernização para estender a vida operacional dos Xingus até 2025, atualizando os sistemas aviónicos. Isso manterá o Xingu em operação por 42 anos consecutivos, facto raro na indústria aeronáutica. O suporte técnico da aeronave é realizado pela Embraer, por meio de peças sobressalentes e documentação, em conjunto com a Daher-Socata da França, responsável pelo suporte logístico, e a Airbus Defence & Space, fornecedora da manutenção.

“Estamos muito satisfeitos com o Xingu. O avião ainda possui qualidades inegáveis que o tornam perfeitamente adequado para as suas missões”, disse Serge Soulet, Comandante da Força Aérea e do Suporte da Força Aérea. “As novas características do Xingu que agora vem equipado com nova aviónica, junto com as qualidades de voo da aeronave original, permitem que os pilotos façam a transição entre o seu treino inicial e a operação em aeronaves militares mais modernas, como o A400M ou o MRTT”.

 

Sobre o EMB 121 Xingu

O EMB 121 Xingu, batizado com o nome de uma tribo indígena brasileira e de um rio na Amazónia, foi desenvolvido sobre a plataforma do turboélice Embraer Bandeirante. Projectado para o mercado de aviação executiva, com capacidade para até oito passageiros, o Xingu foi a primeira aeronave pressurizada fabricada no Brasil. A pressurização permitiu que o avião voasse a uma altitude de 8.534 metros (28.000 pés), acima das nuvens e da maioria das turbulências atmosféricas, enquanto mantinha uma pressão interna equivalente a 2.438 metros (8.000 pés), garantindo assim o conforto dos passageiros.

Embora a estrutura do avião fosse baseada no Bandeirante, o Xingu foi equipado com motores mais potentes. Outra inovação foi a cauda do Xingu, em forma de “T”, na qual o estabilizador horizontal foi colocado na parte superior do estabilizador vertical. Desta forma, o turbilhão (ou sopro) dos hélices não afecta o estabilizador horizontal, garantindo níveis mais baixos de vibrações e ruídos.

O primeiro protótipo do Xingu, prefixo PP-ZXI, realizou seu primeiro voo em 22 de Outubro de 1976, antes que fosse modificado com uma cabina pressurizada. A apresentação oficial da aeronave ocorreu na Embraer, em 4 de dezembro do mesmo ano. Em Maio de 1977, o Xingu melhorado fez um voo bem-sucedido com a cabine pressurizada.

O primeiro cliente foi a Força Aérea Brasileira (FAB), que selecionou a aeronave para operar com o Grupo de Transporte Especial (GTE), baseado em Brasília. O protótipo do Xingu foi o primeiro avião fabricado no Brasil a atravessar o Oceano Atlântico, junto com um Bandeirante, nas cores da companhia aérea regional francesa, Air Littoral, em 26 de Maio de 1977. O Xingu foi certificado em 1979 e, desde então, a aeronave tem sido bem recebida no mercado internacional.

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica