IATA distribui orientações para o transporte aéreo da vacina contra a covid-19

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) divulgou nesta segunda-feira, dia 16 de novembro, orientações para o sector de carga aérea se preparar para a “distribuição em grande escala” de vacinas para a covid-19, dados os “desafios logísticos” que esta entrega vai acarretar.

“A entrega de milhares de milhões de doses de uma vacina que deve ser transportada e armazenada num estado ultracongelado para todo o mundo de forma eficiente vai envolver desafios logísticos extremamente complexos em toda a cadeia de abastecimento”, reconhece o presidente executivo da IATA, Alexandre de Juniac, em comunicado divulgado na manhã desta segunda-feira, em Genebra, na Suíça.

A IATA preparou um documento denominado ‘IATA’s Guidance for Vaccine and Pharmaceutical Logistics and Distribution’ ,ao qual podem aceder clicando diretamente neste LINK, em que estabelece orientações que são dirigidas a todos os eventuais intervenientes nessa movimentação de cargas, que, estima a própria IATA, poder vir a ocupar nos próximos meses cerca de 800 mil voos feitos em aviões de grande capacidade e totalmente consagrados para transporte de carga aérea, com refrigeração a bordo.

Diversas companhias internacionais já manifestaram a sua adesão aos procedimentos necessários e indispensáveis para o transporte das vacinas contra a covid-19 e anunciaram que estão a preparar as suas frotas para tal efeito.

No comunicado difundido nesta segunda-feira, o presidente executivo da IATA observa que “embora o desafio imediato seja a implementação de medidas de teste de covid-19 para reabrir fronteiras sem necessidade de recorrer à quarentena”, é necessário a aviação “estar preparada”, em termos logísticos, para quando uma vacina estiver pronta”.

E foi para assegurar que “a indústria de carga aérea está pronta para apoiar a entrega, transporte e distribuição em grande escala de uma vacina” para a covid-19 que a IATA divulgou estas orientações ao setor, definidas em colaboração com a Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas (IFPMA), Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) e a Organização Mundial do Comércio (OMC), entre outras entidades.

“A orientação inclui um repositório de normas e diretrizes internacionais relacionadas com o transporte de vacinas e será atualizada regularmente à medida que a informação for sendo disponibilizada à indústria”, explica a IATA na nota de imprensa.

Em concreto, as diretrizes apontam a necessidade de “os governos restabelecerem a conectividade aérea para assegurar a disponibilidade de capacidade adequada para a distribuição de vacinas” e de assegurar “instalações ultracongeladas em toda a cadeia de abastecimento”, que terão de ser geridas por “pessoal treinado para lidar com vacinas sensíveis ao tempo e à temperatura”.

Acresce que “as aprovações regulamentares atempadas e o armazenamento e desalfandegamento pelas autoridades aduaneiras e sanitárias serão essenciais”, bem como a adoção de “disposições para garantir que as remessas permanecem seguras contra adulterações e roubos”.

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...