Sindicato do Pessoal de Voo contesta declarações de diretor da Ryanair

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Sindicato do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), que representa a maioria dos tripulantes portugueses da companhia aérea irlandesa Ryanair, não se mostra surpreendido com os “cortes selvagens” anunciados pelo responsável dos recursos humanos daquela companhia e questiona quem precisa mais de quem, Portugal da Ryanair ou a Ryanair de Portugal?

“Quando se juntam as palavras ‘cortes’ e ‘selvagem’ associados à Ryanair, já não nos surpreende”. Eduardo Penarroias, do SNPVAC, reage assim à entrevista que o diretor de Recursos Humanos da companhia aérea deu à agência portuguesa de notícias ‘Lusa’ (LINK notícia relacionada).

Darrel Hughes admite que a empresa está a preparar “cortes selvagens” em vários países da Europa, incluindo Portugal.

Em declarações à Rádio Renascença, em Lisboa, o sindicalista não tem dúvidas de que o objectivo é ameaçar os tripulantes e pressionar os que ainda não o fizeram, para aceitarem as novas regras laborais impostas pela empresa e que implicam cortes nos direitos, redução dos salários e desregulação dos horários.

Segundo a empresa, só 10% dos cerca de 500 trabalhadores não aceitaram os cortes impostos em maio, mas o sindicato diz que são muitos mais. Na entrevista divulgada sexta-feira, Darrel Hughes adianta que a companhia aérea vai cortar 20% dos horários planeados para Setembro e Outubro.

No Inverno, não planeia usar qualquer pessoal da Crewlink, a empresa de trabalho temporário que opera em Portugal há mais de dez anos, em exclusivo para a Ryanair.

Para Eduardo Panarroias, a explicação é simples: não precisa desses tripulantes porque está a chamar os da própria companhia, no estrangeiro, para operar nas bases portuguesas: “já aconteceu em Ponta Delgada (ilha de São Miguel, nos Açores), está a acontecer em Lisboa e vai acontecer no Porto”.
O sindicalista desmente ainda o diretor de Recursos Humanos da companhia que anunciou já ter regularizado todas as dívidas à Segurança Social: “é mentira e há vários tripulantes que apresentaram queixas-crime contra a Ryanair”.

Eduardo Penarroias considera que é altura de desafazer o mito sobre quem precisa mais de quem. “É Portugal que precisa mais da Ryanair ou a Ryanair que precisa de Portugal?”

E argumenta que a companhia irlandesa, mesmo durante o período de confinamento, nunca deixou de voar para os aeroportos nacionais do Porto e de Lisboa.

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...

Qatar Airways reforça Luanda que terá quatro voos semanais e alarga rede para Kinshasa

A Qatar Airways prossegue a expansão da sua rede...