TACV deve retomar operação dentro de seis meses, aponta o governo de Cabo Verde

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Governo da República de Cabo Verde estabeleceu uma meta de seis meses para que a companhia aérea nacional TACV, recuperada do parceiro estratégico, volte a pôr os aviões a voar, anunciou o ministro do Turismo e Transportes, Carlos Santos.

O governante, que falava nesta sexta-feira, dia 3 de setembro, aos jornalistas no final do II Fórum Mundial sobre Investimento Turístico em África, disse que o executivo está a trabalhar com o Conselho de Administração da TACV, recentemente eleito, para criar as condições para ter o novo plano de negócios e pôr, de novo, os aviões da companhia de bandeira a voarem.

“É essa a nossa ambição, é esse o nosso objectivo e pretendemos fazê-lo com a urgência necessária porque a TACV é uma peça essencial da estratégia de desenvolvimento da plataforma aérea que pretendemos montar em Cabo Verde e mais propriamente na ilha do Sal”, esclareceu.

Carlos Santos realçou que essa plataforma é, de facto, um dos pilares daquilo que é a visão e ambição do Governo em matéria de desenvolvimento do país.

“Sem termos conectividade, sem olharmos para fora, não será com o mercado interno que almejamos desenvolver e o crescimento do país. Temos de contar com o mercado externo e para isso temos de ter a plataforma a funcionar, o contacto com exterior para que as coisas aconteçam e para que possamos aumentar o nosso mercado”, explicou.

Questionado para quando os voos da TACV serão retomados, Carlos Santos precisou que o Governo deu um prazo de até seis meses para pôr os aviões a voar.

“É esta a nossa vontade e é com este objectivo que nós continuamos a contar”, afirmou.

No início do mês de julho passado, a TACV, que adquiriu o nome comercial de Cabo Verde Airlines (CVA), voltou ao controlo do Estado por decisão do governo, após a venda de 51% a investidores islandeses em 2019, e a meados de Agosto a assembleia-geral elegeu o novo conselho de administração, liderado por Sara Pires.

 

Companhia portuguesa TAP acusada de estar a explorar os cabo-verdianos

Também nesta sexta feira, dia 3 de setembro, o presidente da Câmara de Comércio de Sotavento, Jorge Spencer Lima, disse que, por conta da falta de uma companhia de bandeira, a TAP Air Portugal, tem estado a explorar os cabo-verdianos cobrando entre 1.700 e 1.800 euros, quase 200 mil escudos cabo-verdianos, por uma viagem de três horas e meia.

Por isso, Jorge Spencer Lima pediu, ao Governo para tomar as medidas necessárias para agilizar a operacionalização da TACV (Transportes Aéreos de Cabo Verde), para que o país possa ter a oportunidade de dar a volta a esta situação que classificou de “extorsão” aos cabo-verdianos.

 

  • Texto distribuído pela INFORPRESS – Agência Cabo-verdiana de notícias
  • Foto de abertura © Hugo Guerra Spotter

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Air Macau transformada em sociedade anónima com maioria da Air China

A Air Macau procedeu à alteração dos seus estatutos...

Governo Regional dos Açores alerta para eventual aumento da tarifa especial para residentes

A secretária do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas do Governo...

Nova loja de atendimento corporativo para clientes da TAAG inaugurada no Talatona (Luanda)

No âmbito da sua estratégia de digitalização e no...