TAP anuncia lucro de 111 milhões de euros no terceiro trimestre deste ano

A TAP registou um recorde histórico de receitas operacionais, que ascenderam aos 1,1 mil milhões de euros, no terceiro trimestre (julho a setembro) deste ano, excedendo os níveis pré-crise em 7,5%, o que permitiu à companhia aérea portuguesa alcançar um desempenho financeiro sem precedentes, com um EBITDA Recorrente de 280,1 milhões de euros e um EBIT Recorrente de 152,7 milhões de euros, ambos acima dos níveis pré-crise, apesar do aumento dos custos com combustível.

Com estes indicadores, a TAP SA teve um resultado líquido positivo de 111,3 milhões de euros, impulsionado por fortes resultados operacionais e efeitos positivos da implementação da política de cobertura cambial.

Os números foram revelados pela empresa nesta quarta-feira, dia 2 de novembro, primeiro numa comunicação à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de Lisboa e, mais tarde, durante uma conferência de imprensa, que decorreu na sede em Lisboa.

A posição de liquidez da companhia aérea portuguesa é sólida, com EUR 775,1 milhões em caixa e equivalentes no final do trimestre.

Para Christine Ourmières-Widener, presidente da Comissão Executiva (CEO) da TAP, os resultados apurados e agora divulgados confirmam “a solidez do seu desempenho no terceiro trimestre, com todas as métricas financeiras acima dos níveis pré-crise, apesar do aumento dos custos de combustível. A procura para o quarto trimestre mantém-se bastante forte, suportando as expectativas de um bom resultado acumulado até final do ano. A visibilidade para o próximo ano é, no entanto, ainda limitada e, atendendo às incertezas da atual conjuntura, é cada vez mais crucial que mantenhamos o foco no nosso plano estratégico, o qual tem, até agora, provado ser eficaz. Os próximos passos decisivos a tomar são: levar a cabo discussões produtivas com os nossos parceiros laborais para a criação de Acordos Coletivos de Trabalho mais modernos, melhorar as nossas operações e a qualidade do nosso serviço com o envolvimento de todos os stakeholders, a constante negociação de todos os nossos contratos com terceiros e a cuidada preparação do próximo ano”.

 

Número de passageiros duplicou no terceiro trimestre deste ano

O número de passageiros transportados pela TAP no terceiro trimestre de 2022 duplicou, em comparação com o mesmo período de 2021, atingindo 85% dos níveis de igual período de 2019. Adicionalmente, durante este período, a TAP operou uma vez e meia o número de voos de 2021, ou 81% das partidas de 2019.

A recuperação das operações continuou, com a capacidade (medida em ASK, sigla em inglês para Assentos por Quilómetros Disponíveis) a aumentar 1,7 vezes em comparação com o terceiro trimestre de 2021 e com o load factor a melhorar 20,3% numa base anual, atingindo 87 por cento. Em comparação com o segundo trimestre de 2019, os ASK estão a 88% e o load factor a 105% dos níveis pré-crise.

As receitas operacionais foram 2,5 vezes superiores às do mesmo período do ano passado, aumentando de 657,3 milhões de euros para 1.118,9 milhões de euros, representando 107% das receitas operacionais do terceiro trimestre de 2019. Esta situação foi predominantemente impulsionada pelo aumento das tarifas e maior capacidade, resultando num aumento das receitas do segmento de passageiros em 633,4 milhões de euros relativamente ao terceiro trimestre de 2021.

Os segmentos de Manutenção e de Carga contribuíram para o aumento das receitas com 33,9 milhões de euros e 7,2 milhões de euros, respetivamente. O segmento de Manutenção terminou o terceiro trimestre com receitas de 48,0 milhões de euros, mais do que 200 por cento face ao terceiro trimestre de 2021, impulsionada pela recuperação geral da indústria. Por sua vez, as receitas no segmento de Carga ascenderam a 64,3 milhões de euros, aumentando 12,7%, em comparação com o terceiro trimestre de 2021.

 

Resultado líquido negativo de 90,8 milhões de euros no acumulado nos primeiros nove meses

No acumulado dos primeiros nove meses de 2022, as receitas operacionais da TAP atingiram 2.440,1 milhões de euros, mais 195,1% do que nos primeiros nove meses de 2021. Juntamente com o maior nível de atividade (ASK aumentou em 135%), também os custos operacionais recorrentes registaram um aumento significativo de 79% para 2.286,0 milhões de euros, resultando num EBIT Recorrente positivo de 154,1 milhões de euros, um aumento de 104,7 milhões de euros, ou 3,1 vezes o montante no mesmo período de 2019, que até agora foi, para a TAP, o melhor ano em termos de desempenho financeiro.

O EBIT, incluindo itens não recorrentes de 8,6 milhões de euros, foi também positivo em 145,5 milhões de euros. O bom desempenho operacional e o menor impacto das variações cambiais, levaram a um Resultado Líquido negativo de 90,8 milhões de euros que melhorou face aos -202,1 milhões de euros verificados no final do primeiro semestre de 2022 e aos -627,6 milhões de euros obtidos nos primeiros nove meses de 2021.

 

Leave A Comment

Download de Notícias

Destaques

Temas

Área Geográfica