TAP contrata um avião à Hi Fly e mais 70 tripulantes de cabina para colmatar atrasos

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

A TAP Air Portugal contratou um avião da companhia portuguesa Hi Fly (Grupo Mirpuri), em regime de ACMI (avião, tripulação, manutenção e seguros), para operar as rotas de Punta Cana (República Dominicana), Varsóvia (Polónia) e Viena (Áustria) durante “um mês”, reduziu o número de voos em alguns destinos, bloqueou vendas adicionais e reforçou a equipa com 70 tripulantes de cabina até ao final do verão. Estas são algumas das medidas lançadas para travar os atrasos e cancelamentos dos voos, refere nesta segunda-feira, dia 11 de julho, o ‘Jornal de Negócios”.

A TAP assume assim a situação de “disrupção” e diz que tem 40% dos voos com atraso que provocam “consumo de recursos adicionais” e “cancelamentos”. Atrasos que a companhia – em carta interna assinada pela Comissão Executiva a que o ‘Negócios’ teve acesso – diz que “têm origem no controlo de tráfego aéreo e no handling”, tal como acontece “noutros aeroportos europeus”.

Sem revelar o número de atrasos e de cancelamentos, para “mitigar os desafios” e tentar travar os atrasos e cancelamentos dos voos, a TAP lançou oito medidas para “rapidamente” melhorar a operação.

Segundo a carta a que o ‘Negócios’ teve acesso, foi celebrado um contrato com a Hi Fly em regime de ACMI por um prazo de “um mês” para operar “nas rotas de Punta Cana (rota sazonal), Varsóvia e Viena (potencial adicional de carga)”. Desta forma, acredita a TAP, será “libertado avião para recuperar atrasos e cancelamentos”.

Além disso, a companhia está a reduzir o número de voos em alguns destinos, através de “um ajuste” da capacidade e está em curso um “bloqueio de vendas adicionais, por forma a ter espaço para reacomodar os passageiros com voos cancelados”, lê-se no documento.

Houve ainda, segundo a carta da Comissão Executiva, “um reforço da operação com 70 tripulantes de cabina até ao final do verão, para fazer face ao pico de absentismo e consumo de recursos pela disrupção atual”.

Para os funcionários “será lançado um programa para premiar o esforço” dos operacionais e a TAP diz que “está em discussão” a entrada em regime de full time dos técnicos de manutenção e de engenharia, o que “permitirá reforçar a operação”.

No documento lê-se ainda que a NAV e a Força Aérea Portuguesa “implementam hoje um protocolo para a otimização do uso do espaço aéreo e consequente redução dos atrasos por controlo de tráfego aéreo”.

Por fim, a TAP salienta que a Groundforce – que está em processo de venda – “desencadeou um plano de contingência para reter e recrutar mais trabalhadores e equipamentos”.

Estas são algumas das medidas desenhadas por um grupo de trabalho interno e que a companhia diz já estarem no terreno para travar os atrasos nos voos e os cancelamentos.

A TAP aproveita ainda para dizer que não é a única companhia da Europa “com grandes índices de disrupção”, salientando que há outras companhias e aeroportos “ainda mais afetados”, que apresentam “cancelamentos duas ou três vezes superiores aos da TAP e aos do Aeroporto Humberto Delgado”.

  • Na imagem de abertura vemos um Airbus A330-900neo da Hi Fly. Foto © José Luís Freitas

 

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

Pilotos da TACV – Cabo Verde Airlines marcam greve de cinco dias entre 25 e 29 de abril

O Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil (SNPAC)...

Luís Rodrigues completa primeiro ano à frente da TAP marcado por lucro recorde

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, completa neste domingo,...

Presidente da SATA demitiu-se por falta de “condições” para continuar o “projeto proposto”

A Comissão de Trabalhadores da companhia aérea portuguesa Azores...

FAP terminou missão de patrulhamento no Golfo da Guiné em cooperação com países lusófonos

Os militares Força Aérea Portuguesa (FAP) da Esquadra 601...