Greve da TAP – Governo dá mais algum tempo aos sindicatos, mas lança avisos…

Data:

https://arabaviationsummit.net/spot_img

O Governo Português, através do secretário de Estado das Infraestrtuturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, fez hoje, dia 16 de Dezembro, uma declaração sobre a resposta recebida da Plataforma dos Sindicatos da TAP acerca de greve geral marcada para os próximos dias 27, 28, 29 e 30 deste mês (LINK para a notícia), em que pouco adiantou quanto à situação de impasse e expectativa que se vive neste momento.

Sérgio Monteiro não revelou que medidas poderão ser tomadas pelo Governo, no caso da posição dos sindicatos se mantiver irredutível. O secretário de Estado dos Transportes apelou para que a Plataforma Sindical reconsidere a sua posição. A greve “é um processo altamente lesivo e fazemos votos que os próprios sindicatos possam rever essa posição”, referiu Sérgio Monteiro numa declaração que ocorreu hoje ao meio-dia numa sala do Ministério da Economia, em Lisboa, sem direito a perguntas dos jornalistas.

Na sua declaração, o governante sublinhou que a plataforam de sindicatos “violou” o acordo assinado há 72 horas e colocou a única condição que não é negociável: o fim da privatização.

Sérgio Monteiro declarou que na passada sexta-feira, “foi acordado pelos sindicatos que compõem a plataforma que a privatização não estava em causa e o que estava em causa era a defesa de interesses específicos, legítimos que os trabalhadores queriam que fossem acomodados na negociação dos cadernos de encargos”.

Perante o documento que saiu da reunião conjunta das direcções dos 12 sindicatos que integram a Plataforma, Sérgio Monteiro diz que o Governo considera que a posição ali consubstanciada “deixa bem claro que os sindicatos não estão interessados em suspender o pré-aviso de greve que afectará muitas famílias neste período natalício”.

O secretário de Estado responsável pelos Transportes recordou que havia a ideia que seria possível “um processo de diálogo construtivo e que queríamos manter”, mas o memorando “revê o acordo que havia sido feito e coloca como condição prévia a suspensão da privatização”.

É natural que o Governo deverá esperar pouco tempo até tomar uma decisão definitiva que, admite-se, em posição extrema, irá contemplar a requisição civil dos trabalhadores indispensáveis ao bom funcionamento da companhia aérea no período de quatro dias para o qual foi marcada a greve geral. O Governo considera que “é preciso ter a TAP a voar”, sublinhou (e avisou) Sérgio Monteiro.

 

  • Foto: Sérgio Brandão/Belém do Pará

Compartilhar publicação:

REGISTE-SE

spot_img

Popular

spot_img

Mais como isso
Relacionado

TAP Air Portugal retomou rota direta entre a Venezuela e a ilha da Madeira

– Cerimónia oficial e decoração a preceito na zona...

TAP Air Portugal terá 95 voos semanais para o Brasil no mês de julho

Uma delegação da TAP Air Portugal, liderada pelo seu...

Teste de táxi aéreo elétrico pode definir novo tipo de transporte para peregrinos do Hajj, na Arábia Saudita

Num movimento histórico, a Arábia Saudita conduziu com sucesso...